Assaltante é morto a tiros após roubos a quiosques na orla da Barra da Tijuca

Segundo informações, ele e outros dois comparsas roubaram dois quiosques na Avenida Lúcio Costa, na altura do posto 5. No local havia policiais civis tomando café e um deles reagiu e atirou contra o criminoso

Por RAFAEL NASCIMENTO

Criminosos roubaram quiosques na orla da Barra da Tijuca. Um deles acabou baleado e morto, enquanto os outros fugiram
Criminosos roubaram quiosques na orla da Barra da Tijuca. Um deles acabou baleado e morto, enquanto os outros fugiram -

Rio - Um criminoso foi morto a tiros, na manhã desta segunda-feira, na Avenida Lúcio Costa, na altura do posto 6, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio. Segundo informações, ele e outros dois comparsas roubaram quiosques na Avenida Lúcio Costa, na altura do posto 5. Policiais civis que estavam em um dos estabelecimentos reagiram ao roubo e atingiram o criminoso pelo menos cinco vezes. Os outros bandidos fugiram.

O trio chegou em um Kia Cerato preto e no Quiosque Olívia e Cia. levaram R$ 750 em cigarros e R$ 150 em espécie. No segundo, no Quiosque Joilton, renderam os clientes que tomavam café, entre elas três policiais civis, e roubaram carteiras, celulares e relógios. Um dos inspetores da Delegacia de Homicídios atirou em seguida, atingindo o criminoso. Vinicius de Jesus Oliveira, de 27 anos, ainda tentou correr, mas caiu logo mais a frente, onde morreu. O atirado e o outro inspetor guardaram a cena do crime até a chegada da perícia.

"Os policiais estavam tomando café. Houve uma troca de tiros e foi muito assustador. Muito tiro, só deu tempo de eu me jogar no chão e me proteger. Estou com as pernas bambas até agora. Está muito perigoso", disse uma testemunha, que não quis se identificar. 

Os dois inspetores da Polícia Civil que já prestaram depoimento na Delegacia de Homicídios da Capital (DH-Capital) disseram que tiveram as armas roubadas pelos criminosos, mas o atirador tinha uma segunda que não foi levada. Temendo por sua vida, ele atirou contra os assaltantes. Os três policiais são lotados na DH e tomavam café para seguirem para o trabalho.

A Polícia Militar esteve no local e agentes da Polícia Civil realizaram o trabalho de perícia. O corpo de Vinicius, que era da Cidade de Deus, foi retirado por volta das 8h. Segundo informações, ele ficou preso por mais de oito anos e deixou a cadeia no começo do ano, tinha sete anotações criminais, seis delas por roubo, e um mandado de prisão em aberto pelo mesmo crime. As investigações ficarão a cargo da Delegacia de Homicídios (DH-Capital).

Orla 'deserta' e com pouco policiamento

Os dois quiosques já haviam sido roubados há pelo menos três meses e, segundo testemunhas, o pior horário é entre 3h30 e 6h, quando os estabelecimentos são alvos de assaltantes. Entretanto, quem mora na região reclama do pouco policiamento, principalmente a partir da tarde, e que alguns trechos ficam "desertos".

"Ao contrário da orla da Zona Sul, os calçadões da Barra da Tijuca são desertos e aumenta o número de assaltos. Muitos quiosques estão fechados e suspeitos se escondem ali para assaltar os pedestres que passam. Aqui não se vê policiamento e eles se aproveitam. Deixamos de fazer muita coisa por conta da falta de segurança", conta a professora Anelise Valente, que caminhava nesta manhã no Posto 5 e não sabia que um homem havia sido morto durante uma tentativa de assalto.

O médico Manoel Luiz Brum lamenta que a falta de segurança que atingiu a Barra da Tijuca. "Eu nunca fui assaltado, mas o meu neto sim. É triste que a violência esteja tão presente. Em alguns horários, não saio de casa" disse.

Há uma semana, um homem foi morto na Praia do Pepê, também na Barra da Tijuca. Segundo informações, ele seria um traficante de drogas que havia acabado de deixar a cadeia. Os disparos teriam atingido a cabeça do homem.

Últimas de Rio de Janeiro