Arena Park encerra suas atividades de lazer no Maracanã

Empresa alega prejuízos de R$ 300 mil por não poder funcionar em dias de jogos

Por FRANCISCO EDSON ALVES

Empresa alega prejuízos de R$ 300 mil por não poder funcionar em dias de jogos
Empresa alega prejuízos de R$ 300 mil por não poder funcionar em dias de jogos -

Rio - O Arena Park Maracanã, projeto de entretenimento que funcionava no Estádio Célio de Barros, encerrou nesta segunda-feira suas atividades. Em comunicado pelo Facebook, Roberto Cardaretti, um dos sócios, alegou que o fechamento do espaço, que revitalizou o Complexo do Maracanã com atividades de gastronomia, cultura, música e lazer a céu aberto, se deu "por não ter conseguido vencer a batalha para abrir em dias de jogos no Maracanã". Pelo menos 200 postos de trabalho foram extintos.

Em entrevista ao DIA, Cardaretti revelou que por causa dos impedimentos de abertura em dias de partidas, os prejuízos chegaram a R$ 300 mil. No contrato já se previa o fechamento nos dias de jogos do Flamengo, por conta de logística de estacionamentos de torcidas adversárias.

"Sem contar dias chuvosos, foram 18 jogos sem funcionar. Tentamos de todas as formas, inclusive com apoio da Suderj, negociar com a Polícia Militar, através do 6º BPM (Tijuca) e do Grupamento Especial de Policiamento em Estádios (GEPE), sem sucesso", lamentou Roberto Cardaretti.

Sem notificação

Em nota, a Secretaria de Estado de Esporte informou que a Suderj não foi notificada oficialmente sobre o assunto. "As diretorias do Arena e da Suderj se reunirão ainda esta semana para tratar do assunto", diz o texto. Já a PM, também em nota, ressaltou que não autoriza a abertura, "somente em horários de jogos, por motivos de segurança".

Roberto, que pediu desculpas aos clientes, parceiros e fornecedores, disse estar disposto a entrar num acordo, desde que o espaço funcione em dias de jogos, com exceção das partidas do rubro-negro, como já é previsto no contrato. Ele adiantou, porém, que o grupo já estuda dois outros espaços, na Tijuca, para a instalação do projeto.

Comentários

Últimas de Rio de Janeiro