Zora Yonara chega aos 60 anos de carreira e revela o que está por trás de suas previsões

Rainha dos atros esbanja carisma e tem disposição de sobra R

Por FRANCISCO EDSON ALVES

Creusa Gramacho Carosella, conhecida por Zora Yonara, chega aos 60 anos de carreira
Creusa Gramacho Carosella, conhecida por Zora Yonara, chega aos 60 anos de carreira -

Rio - Conhecida como a maior astróloga do Brasil, Zora Yonara, batizada Creusa Gramacho Carosella, que faz muitos marmanjos só saírem de casa depois de ouvir suas previsões para os signos pelas manhãs, no Programa Show do Antônio Carlos, da Rádio Tupi, está completando 60 anos de carreira.

A radioatriz e radialista mais ouvida e querida dos cariocas se orgulha em ter chegado a seis décadas de profissão com a mesma vitalidade que começou, aos 12 anos, quando já se interessava pelas radionovelas, ainda em Vitória, no Espírito Santo, onde nasceu. E tentar adivinhar sua idade é um desafio, pois Zora guarda, de forma bem-humorada, a sete chaves.

"Na verdade, acho que já nasci falando. Não podia ver uma rádio, que pedia a meus pais para entrar e conhecer. Rodei por muitas terras capixabas, mas foi no Rio que me consagrei", conta Zora, nome artístico sugerido pelo radialista Mário Luiz Barbato, ex-diretor da Rádio Globo, que morreu aos 89 anos, em 2009.

"Mário, a quem eu chamava carinhosamente de pai, e que abriu as portas para mim em solo fluminense, disse logo de cara que esse nome me daria sorte para o resto da vida. E deu", garante, explicando que Zora, em grego, quer dizer força e coragem. "Yonara, ele dizia que era em homenagem à atriz Yoná Magalhães (que morreu há três anos)", detalha.

Sua voz firme e inconfundível, praticamente a mesma desde a juventude, segundo os fãs, ecoa de segunda a sexta-feira por todo o país, e funciona como uma espécie de bálsamo, uma injeção de ânimo para quem a escuta. Curiosamente, as previsões que ela faz para cada signo, nunca mencionam tragédias. "Vim ao mundo para jogar flores e não pedras. O país já sofre muito com incertezas e más notícias", opina a astróloga, abrindo um largo sorriso, sua marca registrada.

Quem convive diariamente com ela, garante que Zora nunca fica desanimada ou triste. "Trata-se de um ser humano fantástico. Carismática, educada, amiga, carinhosa e sucesso absoluto de audiência", elogia o radialista Antônio Carlos, que a mantém na equipe há anos, desde a época da Rádio Globo. O produtor do programa, Ricardo Campelo, define Zora como "pura emoção".

"Ela é sincera, verdadeira, e, apesar de ser uma estrela nacional, é de uma simplicidade impressionante, avessa a fotos e entrevistas", ressalta. "De personalidade forte, nunca conheci uma pessoa tão humilde e batalhadora", atesta Maria José dos Santos, a Zezé, secretária e braço direito da radialista há 40 anos.

Ao contrário da maioria dos astrólogos, Zora diz não acreditar em destino. "Cada um faz o seu destino, seja de qualquer signo. Deus nos deu livre arbítrio para escolhermos o caminho da felicidade ou da ruína, da luz ou das trevas, do bem ou do mal. Todos nascemos para sermos felizes. O sol nasce para todos, mas cabe a nós fazermos nossas escolhas individuais", ensina, evitando fazer, por exemplo, previsões para famosos ou para a futura gestão de Bolsonaro.

"Cabe a ele escolher seus caminhos e suas companhias de forma acertada", comenta Zora, que fora da rádio não faz mapa astral para ninguém, nem por encomenda. "Não preciso vender nada para sobreviver", justifica Zora.

Pelas ruas de Copacabana, onde mora, fotos, sorrisos e conselhos

É só sair pelas ruas de Copacabana, onde mora, para logo ser cercada de fãs. Aí, Zora Yonara distribui abraços, sorrisos e conselhos como se fossem bênçãos. E haja paciência para tantas fotos. A fama é praticamente a mesma dos tempos em que estrelou uma de suas primeiras radionovelas, 'Minha Vida é Assim'.

A astrologia, porém, quem diria, apareceu em sua vida por acaso: tudo começou quando ela teve de substituir um astrólogo que faltou ao trabalho na Rádio Globo. "Mário Luiz falou: vai lá e lê o horóscopo que ele fez. Nunca mais parei", conta Zora, que foi até a Itália, Egito e outros países atrás de conhecimento, livros e formação nos astros.

"Contudo, previsões infalíveis não existem. Hoje as coisas mudam muito rápido, graças à tecnologia. Os astros, os signos, os planetas, só nos dão pistas, entretanto, através de nossos dons de interpretações e estudos, de direções que podemos seguir. Por meio das posições e das órbitas dos planetas, os céus nos avisam sobre períodos de calmaria ou turbulências, por exemplo", pondera.

Prever vida, morte e outros mistérios, nem pensar. "São enigmas do universo. Os astros nos dão apenas autoconhecimento, para sabermos o que queremos do futuro", completa Zora, viúva do italiano Bruno Carosella, há 20 anos. Mesmo diante da curiosidade de cada um em querer desvendar o incerto, o que não se pode saber com clareza, a dama da astrologia reforça: "O futuro, o que pode vir pela frente, está nas mãos de cada um".

 

Comentários

Últimas de Rio de Janeiro