Polícia Civil investiga incêndio de ônibus na Baixada Fluminense

Casos aconteceram desde a noite de sábado até a manhã de domingo. Polícia investiga a hipótese de represália, após um criminoso morrer durante uma operação policia na região

Por O Dia

Bandidos colocaram fogo em cinco coletivos em menos de 12 horas
Bandidos colocaram fogo em cinco coletivos em menos de 12 horas -

Rio - A Polícia Civil está investigando a ação de criminosos que atearam fogo em cinco ônibus, desde a noite de sábado até a manhã de domingo, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. A principal linha de investigação é a de que a ação tenha sido uma retaliação às operações policiais que aconteceram na comunidade Inferninho, onde um traficante morreu. O caso está com a 56ª DP (Comendador Soares).

O primeiro incêndio aconteceu em um ônibus com passageiros dentro, na Rodovia Preseidente Dutra, na altura de Rosa dos Ventos. Na manhã de domingo, mais dois foram incendiados na Avenida Henrique Duque Estarda Mayer, próximo a comunidade Buraco do Boi, no bairro Ambai. Os outros casos seguem em apuração.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, das 15 pessoas que deram entrada na UPA de Comendador Soares com queimaduras pelo corpo, duas seguem internadas. Jorge Alberto Senra do Nascimento, de 27 anos, teve lesões nas pernas e foi tranferido para o Hospital Geral de Nova Iguaçu; e Juliana Justo de Brito, de 26 anos, foi transferida para um hospital particular.

Em nota, a Polícia Militar informou que, no início da noite de sábado, PMs do 20°BPM (Mesquita) estavam em operação para reprimir o tráfico de drogas na comunidade do Inferninho, quando houve uma intensa troca de tiros. Um traficante morreu e dois foram presos durante o confronto, que também terminou com a apreensão de armas e drogas. 

Últimas de Rio de Janeiro