Candidato à presidência da OAB-RJ denuncia irregularidades na Caarj

Segundo Fernando Orotavo Neto, auditoria externa descobriu dívidas milionárias

Por O Dia

Rio - O candidato à presidência da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Rio de Janeiro, Fernando Orotavo Neto, denunciou em vídeo supostas irregularidades na Caixa de Assistência dos Advogados do Estado do Rio (Caarj), presidida por Marcello Oliveira.

"Eu fiquei desgostoso com a atual administração da OAB. Estávamos na 38ª sessão do Conselho Pleno, e o procurador-geral Fábio Nogueira leu a reprovação de contas da Caarj, dizendo que uma auditoria externa tinha identificado R$ 15 milhões em despesas sem comprovantes correspondentes, que tinha R$ 40 milhões em passivos não-circulantes, R$ 5 milhões em passivo circulante e R$ 22 milhões de passivo descoberto. Um escândalo e o presidente da Caarj não foi se explicar", disse Orotavo, em vídeo publicado no dia 6 deste mês. Ainda segundo ele, o procurador encaminhou seu voto pela rejeição das contas, e a sessão foi suspensa para deliberação após o período das eleições.

"Resolvemos lançar uma campanha da OAB para o advogado. A chapa da situação é formada por grandes escritórios de advocacia. Temos mais de 50% de mulheres na nossa chapa. Queremos implementar um Portal da Transparência, que não existe há 12 anos. Precisamos saber onde são gastos os centenas de milhares de reais arrecadados anualmente", disse.

As contas do Caarj, conforme a declaração de outro advogado do conselho da Ordem, não foram por causa do período eleitoral na entidade. Isso só deverá acontecer em dezembro, após o pleito da OAB, marcado para a próxima quarta-feira.

Procurado pelo DIA, Marcello Oliveira, através da assessoria de imprensa da Caarj, afirmou que:

"1. A Caarj apresentou, no dia 31 de agosto, um relatório com todos os esclarecimentos ao Conselho da OAB sobre as contas de 2017, feito por auditoria independente. No documento, os auditores afirmam que não há indícios de quaisquer irregularidades nas contas da entidade;

2. Os passivos acumulados da entidade são relativos à exploração do plano de saúde encerrado em 2010 e, portanto, nada têm a ver com a atual gestão;

3. Marcello Oliveira não esteve presente à primeira sessão do Conselho da OAB que tratou do tema porque não foi convocado;

4. Oliveira participou da sessão seguinte do Conselho, para prestar todas as explicações sobre as contas da Caarj. O tema foi retirado de pauta contrariamente à vontade de Oliveira e dos diretores da Caarj presentes;

5. O tema ainda não foi votado no Conselho da OAB, aguardando ser incluído na pauta."

Últimas de Rio de Janeiro