Novo Cemitério São João Batista unirá passado e futuro arrojado

Projeto prevê 3 mil novos jazigos com tecnologia sustentável e crematório mais moderno do país

Por FRANCISCO EDSON ALVES

Croqui das novas gavetas mortuárias, que vão contrastar com túmulos e mausoléus tradicionais
Croqui das novas gavetas mortuárias, que vão contrastar com túmulos e mausoléus tradicionais -

Rio - O São João Batista, mais famoso e tradicional cemitério carioca, em Botafogo, será ampliado. O projeto arquitetônico, orçado em R$ 40 milhões, deverá mudar parte da paisagem da região, com a construção de seis blocos verticais, contendo três mil jazigos e nichos com tecnologia sustentável, além do primeiro crematório e mais moderno do da Zona Sul, terá a pedra fundamental lançada no dia 28, às 11h.

O novo complexo uma parceria da Concessionária Rio Pax e Coordenadoria Geral de Controle de Cemitérios e Serviços Funerários do Rio , engloba também a construção de novas capelas e salas, que terão velórios personalizados; um columbário, para se guardar urnas com cinzas, e salas de repouso para famílias enlutadas. As obras serão concluídas em 2020.

Os sepultamentos serão automatizados, com uso de materiais recicláveis, a partir de garrafas PET, bagaço de cana e fibra de coco. Outras áreas mais antigas também terão essas gavetas implementadas, algumas sendo disponibilizadas já a partir do dia 28.

Segundo Daniela Mantovanelli, coordenadora da pasta que cuida dos serviços funerários municipais, o projeto "faz parte de um planejamento estratégico. "Que busca a excelência operacional, aliada à modernidade e ao aumento da qualidade dos atendimentos cemiteriais, mais humanizados e dignos para a população", afirmou Daniela, lembrando que esse será o primeiro dos 13 cemitérios municipais a terem o sistema geral de atendimento modernizado.

No dia 28, um "túnel do tempo", com estrutura de lona e ferro, projetará, para convidados, detalhes do acervo cultural e da memória histórica do cemitério, fundado em 1852 por D. Pedro II. O modelo é inspirado em cemitérios da Europa.

Sistema controlado via satélite

O novo modelo de sepultamento bio-seguro, com controle inteligente, automatizado, de estanqueidade e tratamento de gases por dissociação molecular, controlado via satélite, atenderá à Resolução Federal 335/2003 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), de diretrizes para o licenciamento de cemitérios.

O São João Batista reúne rico patrimônio histórico e cultural, numa uma área de 225 mil metros quadrados. Entre os mais de 40 mil jazigos e 300 mausoléus, estão restos mortais de personalidades como Santos Dumont, Carmem Miranda, Oscar Niemeyer, Tom Jobim, Cândido Portinari, Cecília Meireles, Ary Barroso, Luis Carlos Prestes, Clara Nunes e Cazuza.

Com o novo complexo, o chamado turismo cemiterial será incrementado, a exemplo de cemitérios da Argentina e França. "O São João Batista já tem o título de maior expositor de Art Nouveau a céu aberto na América Latina", lembra o presidente da Concessionária Rio Pax, Geraldo Monge.

Galeria de Fotos

Altar de 30 m x 20 m dará lugar a um outro mais simples: polêmica divulgação
Croqui das novas gavetas mortuárias, que vão contrastar com túmulos e mausoléus tradicionais DIVULGAÇÃO RIO PAX

Comentários

Últimas de Rio de Janeiro