Daciolo distribui pães e cafezinho a moradores de rua e pede ajuda para criar abrigo

Em transmissão ao vivo, deputado federal percorreu a Av. Presidente Vargas conversando com pessoas em situação de rua e pediu ajuda para criar abrigo e 'dar dignidade para o nosso povo'

Por O Dia

Cabo Daciolo oferece café para pessoas em situação de rua
Cabo Daciolo oferece café para pessoas em situação de rua -

Rio - Em uma transmissão ao vivo realizada na madrugada desta terça-feira, o candidato à Presidência derrotado no primeiro turno das eleições, Cabo Daciolo (Patriota), percorreu a Avenida Presidente Vargas, no centro do Rio, distribuindo pães e cafezinho para pessoas em situação de rua que dormiam embaixo das marquises. O deputado federal também pediu ajuda para "empresários" e "aquelas pessoas que acreditam em trabalho verdadeiro", "que tenham algum prédio parado no centro da cidade", para que "nós possamos botar essas pessoas pra tomar um banho, comer um prato de comida e ouvir a palavra de deus".

"Não estamos em momento de campanha eleitoral, então eu não estou fazendo isso aqui pra campanha ou pra ganhar voto", disse ele, no começo da transmissão, com uma bíblia embaixo do braço. Após percorrer um trecho da avenida, Daciolo foi até um táxi estacionado, da onde tirou um saco de pães e uma garrafa térmica com café, e começou a distribuí-los para as dezenas de pessoas em situação de rua que dormiam ali. 

O deputado conversou com algumas delas. André, um senhor de cabelos brancos, mora na rua há 12 anos. Dona Rose, também idosa, mora em Nova Iguaçu, mas dorme na rua para ficar mais perto de seu trabalho. Seu Martin, cearense, está em situação de rua há quatro anos e quer voltar para a casa. "E as autoridades, e o governo?", indagou Daciolo, após ouvir seu relato. 

Ao final da transmissão, o deputado voltou a pedir ajuda para criar um abrigo e deixou o telefone de contato de seu gabinete para quem estiver à disposição de ajudar: 061 3215-5803. "Vamos tirar esse povo daqui. Vamos dar dignidade para o nosso povo. Vamos tratar o próximo da maneira que nós gostaríamos de ser tratados", concluiu.

Últimas de Rio de Janeiro