Governador Luiz Fernando Pezão é preso em operação da Polícia Federal

Ele recebeu voz de prisão no Palácio Laranjeiras, residência oficial do governo do estado, na Zona Sul do Rio, quando tomava café da manhã

Por Adriana Cruz e Rafael Nascimento

Pezão chega à sede da PF no Rio, na Praça Mauá
Pezão chega à sede da PF no Rio, na Praça Mauá -

Rio - O governador Luiz Fernando Pezão (MDB) foi preso, na manhã desta quinta-feira, em uma operação da Polícia Federal, que recebeu o nome de Boca de Lobo. O governador recebeu voz de prisão no Palácio Laranjeiras, residência oficial do governo do estado, quando tomava café da manhã, por volta das 6h. Os agentes esperavam ele tomar banho, terminar o café, para levá-lo à sede da superintendência da Polícia Federal (PF) no Rio, na Praça Mauá, onde chegou às 7h53. Pezão é acusado de receber propina durante os oito anos em que foi vice-governador nos mandatos do então governador Sérgio Cabral (2007-2014).

O vice-governador do Rio, Francisco Dornelles (PP), assumirá o governo do Estado após a prisão, confirmou a assessoria de imprensa do Palácio Guanabara. Dornelles já havia assumido o cargo em 2016, quando Pezão se afastou do cargo para tratar um câncer. Na ocasião, o governo do Estado do Rio decretou "estado de calamidade financeira", às vésperas dos Jogos Olímpicos de 2016.

Ao todo, a operação, um desdobramento da Lava Jato no Rio, pretende cumprir nove mandados de prisão e 30 de busca e apreensão, expedidos pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), resultado de uma petição da procuradora-geral da República, Raquel Dodge. Os outros alvos são José Iran Peixoto Júnior, secretário de Obras de Pezão; Affonso Henriques Monnerat Alves da Cruz, secretário de Governo preso na operação Furna da Onça; Luiz Carlos Vidal Barroso, servidor da Secretaria da Casa Civil e Desenvolvimento Econômico; Marcelo Santos Amorim, sobrinho do governador; Cláudio Fernandes Vidal; sócio da J.R.O Pavimentação; Luiz Alberto Gomes Gonçalves; sócio da J.R.O Pavimentação; Luis Fernando Craveiro De Amorim, sócio da High Control Luis; e César Augusto Craveiro De Amorim, sócio da High Control Luis.

Pezão chega à sede da PF no Rio, na Praça Mauá - Estefan Radovicz / Agência O Dia

A operação é resultado de delação premiada de Carlos Miranda, apontado como o operador da quadrilha chefiada por Cabral. De acordo com Miranda, Pezão recebia ilegalmente uma mesada de R$ 150 mil quando era vice-governador e teria recebido dois prêmios no valor de R$ 1 milhão e um terceiro de R$ 300 mil para fazer obras em sua casa, em Barra do Piraí, no Sul Fluminense.

Os agentes da PF, do Ministério Público Federal (MPF) e da Receita Federal também estão no Palácio Guanabara, sede do governo do estado, para cumprir mandados de busca. Há ainda buscas na casa do governador em Piraí. Como o local estava vazio, Amanda Horta Jardim, uma das enteadas do governador e vizinha da residência, foi chamada para acompanhar as buscas. A residência é Piraí é usada por Pezão aos finais de semana. No último, o governador esteve no local.

O governador Luiz Fernando Pezão (MDB) que foi preso, na manhã desta quinta-feira, 29, em uma operação da Polícia Federal, que recebeu o nome de Boca de Lobo, chega à superintendência da Polícia Federal na Região Portuária do Rio - Severino Silva/ Agencia O Dia

Estão sendo feitas ainda buscas na residência de Hudson Braga, ex-secretário de Obras de Cabral, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste. Os mandados também foram cumpridos em Niterói, Juiz de Fora e Volta Redonda. 

População comemora

Na porta da superintendência da Polícia Federal (PF), na Praça Mauá, Região Portuária do Rio, muitas pessoas que passavam comemoravam a prisão do governador Luiz Fernando Pezão (MDB). "Já estava na hora. Demorou muito", disse um. Outro gritou: "Por que ele não chegou ainda? Está tomando café no Palácio (Laranjeiras)?".

Após a entrada de Pezão, o estoquista Lúcio da Silva Bispo, 38 anos, falou com o DIA. "Acompanho a política do Rio. Agora, o meu sentimento é de que eles cumpriram o dever para a sociedade”, diz o homem. “Eles estão acabando com essa facção criminosa, que é o MDB, e que destruiu o estado. O que eles fizeram nesses anos levou o Rio a essa calamidade”, completou o estoquista.

Citado por Paulo Melo

A prisão de Pezão aconteceu dois dias depois de depoimentos de caciques do MDB presos na Operação Cadeia Velha, em novembro de 2017, e também alvos da Operação Furna da Onça, deflagrada no último dia 8, à Polícia Federal. O governador, do mesmo partido do parlamentar, foi citado pelo deputado Paulo Melo como tendo procurado os deputados presos na Furna da Onça para que eles indicassem cargos no governo do estado, principalmente no Detran.

A Furna da Onça investiga 10 deputados, um ex-secretário de Governo e outros servidores públicos suspeitos de transformar a Alerj em uma "Propinolândia". Eles teriam montado uma rede de corrupção ligada ao ex-governador Sérgio Cabral, também do MDB, para lavagem de dinheiro e loteamento de cargos públicos e mão-de-obra terceirizada em órgãos da administração estadual.

Movimentação na Superintendência da Polícia Federal, na Região Portuária do Rio, após a prisão do governador Luiz Fernando Pezão na operação Boca de Lobo - Paulo Carneiro/Parceiro/Agência O Dia

No depoimento, Paulo Melo também admitiu que fez indicações, revelando o nome de Carla Adriana Pereira, então diretora de Registro do Detran, como uma delas. Presa na Furna da Onça, Carla Adriana é suspeita de ser uma das operadores do esquema.

Os juízes que estão a frente da operação sabatinaram Paulo Melo, principalmente, sobre as planilhas e anotações feitas a mão com divisão de cargos em órgãos e até na Alerj, apreendidas na casa de Shirlei Aparecida Martins Silva, ex-chefe de gabinete de Albertassi e então subsecretária dos Programas Sociais da Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento Social. Ela também foi presa na Furna da Onça.

Paulo Melo e Edson Albertassi estão presos em Bangu e Jorge Picciani está em prisão domiciliar por causa da Cadeia Velha.

Cabral está preso desde novembro de 2016, quando foi alvo da Operação Calicute. Ele é suspeito de receber milhões em propina para fechar contratos públicos durante sua gestão no Governo do Rio. Atualmente, o ex-governador está em Bangu e já acumula mais de 180 anos de prisão em sete condenações.

O governador do Rio Luiz Fernando Pezão foi preso na manhã desta quinta-feira - Severino Silva / Agência O Dia

Furna da Onça

A Operação Furna da Orna surgiu de um desencadeamento da Cadeia Velha, quando foram presos Paulo Melo, Edson Albertassi e o então presidente da Alerj, Jorge Picciani. Eles também foram alvos da nova operação, juntamente com outros sete deputados: André Corrêa (DEM), Chiquinho da Mangueira (PSC), Coronel Jairo (MDB), Luiz Martins (PDT), Marcelo Simão (PP), Marcos Abrahao (Avante) e Marcus Vinícius "Neskau" (PTB).

Ricardo Saadi , superintendente da Polícia Federal, em entrevista coletiva detalha a operação Boca de Lobo, desdobramento da Lava Jato no Rio, que prendeu o governador Luiz Fernando Pezão (MDB) na manhã desta quinta-feira - Onofre Veras/Parceiro/Agência O Dia

Além deles, também foram presos o então secretário de Governo de Pezão Affonso Monnerat, o presidente do Detran, Leonardo Silva Jacob, e seu antecessor no cargo, Vinicius Farah, dentre vários assessores parlamentar e outros servidores públicos. Ao todo, foram 22 prisões

Picciani já cumpria prisão domiciliar por causa da Operação Cadeia Velha. Edson Albertassi e Paulo Melo já estavam presos, em Bangu.

De acordo com Ministério Público Federal (MPF), o esquema mantido por eles movimentou R$ 54 milhões em pagamentos para que parlamentares votassem em projetos que beneficiassem o governo do estado na Alerj. Em troca, o Executivo cedia cargos, principalmente no Detran.

Os deputados recebiam uma propina mensal (mensalinho) durante o segundo mandato do governador Sérgio Cabral (2011-2014). A denúncia do MPF aponta que Chiquinho da Mangueira foi beneficiado com mais de R$ 3 milhões, Paulo Melo com R$ 900 mil por mês, Jorge Picciani R$ 400 mil, André Corrêa R$ 100 mil, Edson Albertassi, Luiz Martins e Marcos Abrahão R$ 80 mil e Coronel Jairo e Marcos Vinícios "Neskau" R$ 50 mil e Marcelo Simão R$ 20 mil. Em nota da, o MDB afirmou que "acredita que os processos legais e as investigações restabelecerão a verdade."

O nome da operação foi uma referência a uma sala de reuniões que fica perto do plenário da Alerj, onde os deputados, segundo as investigações, se reuniam para rápidas discussões antes das votações no plenário.

No último dia 12, o Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) transformou a prisão temporária dos deputados André Correa, Chiquinho da Mangueira, Coronel Jairo, Luiz Martins, Marcos Abrahão e Marcus Vinicius "Neskau" e do ex-secretário de Governo Affonso Monnerat em prisão preventiva.

Polícia Federal prende o Governador Pezão no Palácio Laranjeiras, na Zona Sul do Rio - Estefan Radovicz / Agência O Dia

Cadeia Velha

Deflagrada em novembro de 2017, a Operação Cadeia Velha levou três importantes membros da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) à prisão. Os principais alvos foram o então presidente da Alerj Jorge Picciani, o ex-presidente Paulo Melo e o então líder do governo Edson Albertassi. Todos são do MDB e faziam parte de uma quadrilha envolvendo o ex-governador Sérgio Cabral.

De acordo com o Ministério Público Federal os parlamentares comandavam um esquema de corrupção em que usavam sua influência para aprovar projetos na Alerj em favor de empresas de ônibus, através da Federação de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor), e também de empreiteiras.

As investigações surgiram a partir da delação de Carlos Miranda, considerado o operador financeiro da organização criminosa chefiada por Cabral.

Galeria de Fotos

Pezão chega à sede da PF no Rio, na Praça Mauá Estefan Radovicz / Agência O Dia
Prisão aconteceu no Palácio Laranjeiras Reprodução / TV Gglobo
Governador Luiz Fernando Pezão Alexandre Brum / Arquivo / Agência O Dia
O governador Luiz Fernando Pezão (MDB) que foi preso, na manhã desta quinta-feira, 29, em uma operação da Polícia Federal, que recebeu o nome de Boca de Lobo, chega à superintendência da Polícia Federal na Região Portuária do Rio Severino Silva/Agencia O Dia
Manifestante comemora prisão do governador Pezão na porta da Polícia Federal no Rio Paulo Carneiro/Parceiro/Agência O Dia
O governador do Rio Luiz Fernando Pezão foi preso na manhã desta quinta-feira Severino Silva / Agência O Dia
Preso, Pezão chega à sede da PF no Rio Severino Silva / Agência O Dia
O governador Luiz Fernando Pezão (MDB) que foi preso, na manhã desta quinta-feira, 29, em uma operação da Polícia Federal, que recebeu o nome de Boca de Lobo, chega à superintendência da Polícia Federal na Região Portuária do Rio Severino Silva/ Agencia O Dia
Pezão chegando na PF Severino Silva / Agencia O Dia
O governador do Rio Luiz Fernando Pezão foi preso na manhã desta quinta-feira Severino Silva / Agência O Dia
Preso, Pezão chega à sede da PF no Rio Severino Silva / Agência O Dia
O governador do Rio Luiz Fernando Pezão foi preso na manhã desta quinta-feira Severino Silva / Agência O Dia
Polícia Federal prende o Governador Pezão no Palácio Laranjeiras, na Zona Sul do Rio Estefan Radovicz / Agência O Dia
Ricardo Saadi , superintendente da Polícia Federal, em entrevista coletiva detalha a operação Boca de Lobo, desdobramento da Lava Jato no Rio, que prendeu o governador Luiz Fernando Pezão (MDB) na manhã desta quinta-feira Onofre Veras/Parceiro/Agência O Dia

Últimas de Rio de Janeiro