Barata diz que setor repassou R$ 145 milhões a Cabral desde 2010

Barata contou a Bretas que a prática do pagamento de propinas a políticos era muito antiga no estado do Rio de Janeiro, e que ela só não ocorreu durante o governo de Leonel Brizola, que acabou encampando algumas empresas

Por O Dia

Barata foi interrogado ontem no âmbito da Operação Ponto Final
Barata foi interrogado ontem no âmbito da Operação Ponto Final -

Rio - O empresário do setor de ônibus Jacob Barata Filho disse que o setor repassou R$ 145 milhões ao ex-governador Sérgio Cabral, no período de 2010 a 2016. Ele depôs nesta quarta-feira (12) ao juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, no âmbito da Operação Ponto Final.

Barata, que chegou a ser preso no Aeroporto Internacional do Galeão, quando estava prestes a viajar ao exterior, ressaltou que ele próprio jamais entregou qualquer valor a Cabral. Segundo ele, quem tratava diretamente de pagamentos era o ex-dirigente da Federação das Empresas de Ônibus (Fetranspor) José Carlos Lavouras, atualmente no exterior, foragido da Justiça. 

Barata contou a Bretas que a prática do pagamento de propinas a políticos era muito antiga no estado do Rio de Janeiro, e que ela só não ocorreu durante o governo de Leonel Brizola, que acabou encampando algumas empresas.

O empresário fez questão de desmistificar a informação de que sua família possui grande participação no setor, chegando a ser chamado de "rei dos ônibus". Segundo ele, sua família possui 12% do setor municipal e 5% do intermunicipal.

Durante o interrogatório, foi revelado que existe um outro processo, do Ministério Público Federal (MPF), que investiga as relações do setor de ônibus com o poder municipal, mas que a investigação está sob sigilo.

Em nota, Fetranspor esclareceu "que desenvolve atualmente uma profunda reestruturação interna, com o estabelecimento de uma nova política de conformidade e o fortalecimento da sua administração com uma moderna governança". Confira trecho do documento:

 

"A Federação reafirma seu compromisso com uma nova gestão que prioriza a transparência de seus atos, a valorização dos controles internos e o respeito às normas que regulam o setor. Desde setembro de 2017, a entidade é presidida por um novo executivo, selecionado no mercado, sem qualquer ligação anterior com a área de transporte público de passageiros.

É importante ressaltar que todas as notícias recentes relacionadas à gestão da Fetranspor referem-se a fatos supostamente ocorridos muito antes da posse do novo corpo administrativo.

A Federação destaca mais uma vez o seu comprometimento para colaborar com as investigações em andamento e para cumprir todas as determinações judiciais, permanecendo à disposição das autoridades para os esclarecimentos que forem necessários".

Com informações da Agência Brasil

Últimas de Rio de Janeiro