PMs do batalhão de São Gonçalo são presos acusados de desviar carga roubada

Grupo teria roubado quase 12 das 16 toneladas de uma carga de carnes, laticínios e outros alimentos. Um tenente está entre os 12 policiais militares já presos e outros dois seguem foragidos

Por ADRIANA CRUZ E MARIA INEZ MAGALHÃES

Viaturas foram flagradas por câmeras de segurança transportando a carga
Viaturas foram flagradas por câmeras de segurança transportando a carga -

Rio - A operação Purificação, realizada pela 4ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (DPJM) e da Delegacia de Homicídios de Niterói/São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI) para prender PMs, cumpriu 12 dos 14 mandados de prisão, na manhã desta quinta-feira. Entre os presos está Maikon Ewerton Santos de Almeida, tenente do 7º BPM (São Gonçalo), em sua casa. Segue foragido o soldado Luiz Rafael Guedes Neves, que faz parte do bando. Além das ordens de prisão, são cumpridos 56 de busca e apreensão no 7º BPM e nas residências dos policiais. Foram apreendidas drogas, munições e carregadores onde os alvos moram e no batalhão. A ação tem o apoio do Ministério Público do Rio (MPRJ).

Eles são acusados de roubar quase 12 das 16 toneladas de uma carga de carnes, laticínios e outros alimentos recuperada no dia 3 de maio deste ano, na Rua Bagé, bairro Boavista, São Gonçalo. A ocorrência foi registrada na 72ª DP (Mutuá) no mesmo dia, porém os PMs apresentaram apenas 200 quilos da mercadoria. A ação durou quase quatro horas, das 6h47 às 10h15, e a carga foi retirada do local nas viaturas do 7º BPM e em um caminhão de frete, que fizeram várias viagens durante esse período sem serem importunadas.

Um dos veículos da PM usados para transportar a carga - Divulgação

Toda ação foi flagrada por câmeras de segurança que mostram o vai e vem dos carro da polícia entre eles a viatura do oficial. Algumas são caracterizados outras, não. As imagens mostram algumas delas entrando com a caçamba vazia e saindo com ela cheia de caixas que seriam, segundo a polícia, a carga roubada.

Os alimentos estavam em dois caminhões. A carga estava avaliado em R$ 123 mil. Além das carnes, havia mortadela, queijo, pó de café, requeijão, carne seca, entre outros alimentos. Parte da carga que não foi roubada e nem apresentada na delegacia foi deixada no local. A estimativa é de que 600 quilos tenham sido descartados gerando um prejuízo de R$ 4,5 mil para empresa.

Um tenente também está envolvido no caso. Mandado de prisão foi cumprido na casa do oficial - Divulgação

A carga roubada pelos PMs foi interceptada às 5h por quatro bandidos armados quando os caminhões passavam pela BR-101 altura do bairro Boavista. O bando estava em um automóvel preto. Eles obrigaram os motoristas a dirigir até a Rua Bagé. Entre 6h e 6h30, as imagens da câmera de segurança do local mostram os caminhões chegando ao local com um assaltante pendurado na porta. Às 6h47, as imagens flagram a chegada à rua da primeira viatura, uma S10. Nelas, aparecem vários PMs desembarcando perto da carga, mas não é possível ver se há confronto com os criminosos ou o que aconteceu com eles. Vinte minutos depois, às 7h07, a S10 sai aparentando estar com a caçamba cheia de caixas, que seriam as carnes recuperadas, de acordo com as investigações.

Às 7h16, chega ao local uma Frontier da supervisão de oficial, segundo as investigações, com a caçamba vazia. Nela, de acordo com a polícia, está o tenente Maikon. Às 7h31, as imagens mostram os caminhões deixando o local. Às 7h53 chega uma Viatura Voyage, sem placa. Segundos depois, a Frontier sai com algo na mala, que a polícia acredita ser a carga de carnes. As imagens mostram essa mesma viatura de volta ao local às 8h06 já sem a carga. Às 8h10, as câmeras flagram um caminhão de frete usado também para transportar a carga roubada. Às 8h11, outra viatura Voyage chega ao local. Pelas imagens é possível saber que ela não é a mesma que já estava no local porque essa tem placa. Às 8h18, os vídeos mostram a Frontier saindo, pela segunda vez do local, com a caçamba cheia, de acordo com a polícia.

A 4ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (DPJM) e a Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI) realizam a Operação Purificação, em São Gonçalo, contra policiais do batalhão da cidade acusados de desviar carga roubada - Estefan Radovicz / Agência O Dia

Às 8h20, sai a S10 lotada, provavelmente com parte da mercadoria recuperada. Às 8h23, a 3ª Viatura Voyage segue para o local da recuperação da carga. Ela é seguida por um Fiorino branco e ambos deixam o local às 8h29. Há suspeitas que os dois automóveis estavam carregados com os alimentos. E, às 8h33, essa viatura faz contato com um carro não-identificado. Às 9h06 as imagens mostram a viatura Voyage, sem placa dianteira, voltando ao local, vazia. Ela possui um amassado no para-choque traseiro, do lado direito. Três minutos depois, chega ao local, às 9h09 uma Frontier branca da PM, com o paralama direito de cor escura.

Às 9h28 outra Frontier, essa catacterizada, retorna, pela 3ª vez, com a caçamba vazia ao local da recuperação da carga. Nesse momento, há três carros da PM no local. A Frontier branca deixa o lugar uma hora depois, às 10h03, lotada, provavelmente com parte da carga recuperada. Para disfarçar, o material foi coberto com uma lona azul. A viatura ostensiva sai às 10h11 e, em seguida, o Voyage que chegou às 9h06. Apenas 200 quilos da carga foram apresentadas na delegacia Quem apresentou a ocorrência foi o segundo-sargento Luiz Cláudio de Araújo Pereira, e o cabo Henrique Paulo Vieira e os soldado Luiz Rafael Guedes Neves e Rodrigo Nascimento dos Santos. O caso foi registrado na 72ª DP (Mutuá) onde constam como recuperadas 10 unidades de caixas de carnes de frango e bovina, o que representa de 200 quilos do total de quase 17 toneladas. 

Imagens

Corregedoria analisou 30 vídeos para identificar os PMs que roubaram a carga As imagens foram fundamentais para desvendar o esquema. Pelo menos 30 vídeos foram minuciosamente analisados pela 4ª DPJM. Na falta de identificação de algumas viaturas, como números e placas, foi possível diferenciá-las por detalhes, como um amassado em um para-choque, pinos de reboque, e manchas na lataria. E foi uma mancha na lateral da Frontier descaraterizada que levou a 4ª DPJM a ter a confirmação de que o carro pertence ao 7º BPM.

Ela foi fotografada, em outubro, no pátio de uma das companhias da unidade. A foto foi comparada com as imagens da câmera de segurança do local do roubo onde o carro com a mesma marca no mesmo lugar na lataria aparece na lataria do veículo. Com as datas e horas que aparecem nos vídeos foi pedida a escala de serviço daquele dia. O cruzamento dessas informações fez com que a 4ª DPJM identificasse os policiais e qual a participação de cada um no esquema.

A 4ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (DPJM) e a Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI), estiveram em estacionamento usado por PMs do batalhão. Um dos veículos no local era roubado e outros são averiguados - Estefan Radovicz / Agência O Dia

Procurados

Os envolvidos no roubo são o segundo-sargento José Roberto Corrêa Rocha e o terceiro-sargento Eldo Matínez Moreira, e os cabos Diego Leal Peres, Leonardo Domingues, que estavam na S10. Já o primeiro-tenente Maikon Ewerton Santos de Almeida, o segundo-sargento Ubirajara da Silva Lopes chegaram na viatura Frontier usada para a Supervisão de Oficial. O segundo-sargento Luiz Cláudio de Araújo Pereira e o cabo Henrique Paulo Vieira estavam a bordo do Voyage 54-6606. Os soldado Luiz Rafael Guedes Neves e Rodrigo Nascimento dos Santos estavam no Voyage 54-7016. O primeiro-sargento André Luís Machado da Silva, o segundo-sargento Evandro Vieira dos Santos, o cabo Gláuber Francisco Pereira, o soldado Carlos Jorge Gouvêia Luciano eram lotados na P-2, que tem atribuição para investigar, estavam na Frontier não caracterizada.

Crime que se repete

No último dia 4, sete PMs do 7º BPM (São Gonçalo), entre eles um oficial, foram presos administrativamente, pela 4ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (DPJM), também por suspeita de roubo de carga recuperada. As prisões foram decretadas a após a 4ª DPJM receber vídeo mostrando um PM descarregando carga de laticínios que teria sido apreendida horas antes, no Morro do Castro, em São Gonçalo. O vídeo flagrou policial militar colocando material em um Gol, no pátio da 2ª Companhia do 7º BPM, na Coruja. Os policiais já tinham apresentado a ocorrência na 73ª DP (Neves), mas há suspeita que parte dessa carga tenha sido desviada.

Galeria de Fotos

Viaturas foram flagradas por câmeras de segurança transportando a carga Reprodução de vídeo
Um tenente também está envolvido no caso. Mandado de prisão foi cumprido na casa do oficial Divulgação
Um dos veículos da PM usados para transportar a carga Divulgação
A 4ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (DPJM) e a Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI) realizam a Operação Purificação, em São Gonçalo, contra policiais do batalhão da cidade acusados de desviar carga roubada Estefan Radovicz / Agência O Dia
A 4ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (DPJM) e a Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI), estiveram em estacionamento usado por PMs do batalhão. Um dos veículos no local era roubado e outros são averiguados Estefan Radovicz / Agência O Dia
A 4ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (DPJM) e a Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI), estiveram em estacionamento usado por PMs do batalhão. Um dos veículos no local era roubado e outros são averiguados Estefan Radovicz / Agência O Dia
A 4ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (DPJM) e a Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI) realizam a Operação Purificação, em São Gonçalo, contra policiais do batalhão da cidade acusados de desviar carga roubada Estefan Radovicz / Agência O Dia
Além das prisões, foram cumpridos 56 mandados de busca e apreensão no batalhão e nas residências dos policiais. Um dos presos se suicidou no batalhão Estefan Radovicz / Agência O Dia

Últimas de Rio de Janeiro