Iate de Eike Batista apreendido pela Justiça vai a leilão nesta quinta-feira

Embarcação de luxo tem capacidade para 21 pessoas e possui quatro quartos, suítes, saúnas, cozinha, além de espaço para guardar jet skis. Lance mínimo é de R$ 14 milhões

Por O Dia

Iate de Eike Batista vai a leilão
Iate de Eike Batista vai a leilão -

Rio - Um iate de luxo de Eike Batista vai a leilão nesta quinta-feira. O bem foi apreendido pela Justiça Federal após o empresário ser preso em um desdobramento da Operação Lava Jato.

A embarcação, um Pershing SPA modelo 115, possui capacidade para 21 passageiros, quatro quartos, sendo duas suítes com uma saúna e closet, além de três cabines, cozinha e espaço para guardar dois jet skis. O barco é avaliado em R$ 18 milhões e o lance mínimo é de R$ 14 mi.

Galeria de Fotos

Iate de Eike Batista vai a leilão Reprodução
Iate de Eike Batista vai a leilão Reprodução
Iate de Eike Batista vai a leilão Reprodução
Iate de Eike Batista vai a leilão Reprodução
Iate de Eike Batista vai a leilão Reprodução
Iate de Eike Batista vai a leilão Reprodução
Iate de Eike Batista vai a leilão Reprodução

Segundo a Rio Leilões, site que promove irá promover os lances, o item tem "baixíssimas horas de uso", além de se tratar de uma embarcação de "qualidade reconhecida e com grande sucesso de venda". É especificado também que a Capitania dos Portos não emitiu documento autorizando o iate a navegar entre 2016 e 2018, por por determinação da 3ª Vara Federal Criminal. Contudo, é destacado que as taxas e impostos seguem sendo pagos.

Condenação

No dia 3 de julho deste ano, o empresário Eike Batista foi condenado a 30 anos de prisão em regime fechado pelo juiz Marcelo Bretas, titular da 7ª Vara Federal do Rio, pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Ele é acusado de fazer pagamentos indevidos no valor de US$ 16,5 milhões ao ex-governador fluminense Sérgio Cabral, em 2011, e de tentar ocultar a propina por meio de uma operação de lavagem de dinheiro.

Segundo a denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal, a fim de ocultar o pagamento a Cabral, o doleiro Renato Chebar criou uma empresa offshore chamada Arcadia Associados, que assinou um contrato fictício com a empresa Centennial Asset Mining Fund, de Eike Batista, para a possível aquisição de uma mina de ouro.

Últimas de Rio de Janeiro