Cabral negocia delação premiada com MPF e PGR

Novo advogado do ex-governador está com procuração em nome dele e as conversas com os responsáveis pela Operação Lava Jato no Rio já teriam iniciado. Um dos defensor deixou o caso por não compactuar com delações

Por O Dia

Ex-governador Sérgio Cabral
Ex-governador Sérgio Cabral -

Rio - A decisão de Sérgio Cabral de tentar um acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF) ou com a Procuradoria-Geral da República (PGR) foi confirmada neste domingo pelo ex-advogado do governador, que disse ao UOL ter se afastado da defesa por não compactuar com delações, "premiadas ou não".

Mais cedo, segundo informou o colunista Lauro Jardim no jornal O Globo, o novo advogado de Cabral, João Bernardo Kappen, já teria iniciado os contatos em busca de um acordo. Com isso, o ex-governador pretende tentar sair da cadeia antes de cumprir 30 anos, limite máximo previsto pelo Código Penal.

Com uma condenação a mais 14 anos de prisão em regime fechado, em 3 de dezembro, a soma das penas do ex-governador atingiu 197 anos e 11 meses. Caso as sentenças sejam mantidas em instâncias superiores - hipótese bem provável -, a progressão para o regime semiaberto se torna praticamente inviável para o ex-governador.

QUEM FALTA

Quase todas as autoridades que dominaram a política e os principais órgãos de Estado do Rio de Janeiro nos últimos anos já estão envolvidas em processos ou presas. No segundo caso, estão, por exemplo, ex-presidentes da Assembleia, como Jorge Picciani e Paulo Mello, além do governador Pezão, claro. Seis membros do Tribunal de Contas do Estado foram afastados e o presidente do órgão cumpre prisão domiciliar. Em novembro, o ex-procurador-geral de Justiça Cláudio Lopes foi preso, acusado de "blindar" a organização chefiada por Cabral, em troca de propina.

Cabral poderia dar novas informações que ajudariam nos processos de seus antigos "colaboradores" em esquemas de corrupção. No entanto, isso não seria o suficiente para que o MP ou a PGR se interessassem em lhe conceder algum benefício. Afinal, o ex-governador ocupava um posto de chefia nos esquemas. Cabral, no entanto, poderia oferecer agora informações capazes de comprometer membros do Poder Judiciário no estado, que até agora passou incólume pela tsunami.

Cabral também teria a oferecer informações sobre a compra de votos para que o Rio sediasse os Jogos Olímpicos, o que interessa particularmente à Procuradoria-Geral da República, já que envolveria autoridades federais. No período da candidatura da cidade do Rio, a prefeitura era ocupada por Eduardo Paes e a presidência por Lula.

Outra área em que Cabral promete trazer revelações importantes é a das obras para a Copa do Mundo. As obras do Maracanã já lhe valeram uma condenação a 14 anos de prisão.

 

 

 

Galeria de Fotos

Ex-governador Sérgio Cabral Giuliano Gomes / PR PRESS
Ex-governador já foi condenado oito vezes e soma quase 200 anos de prisão Agência Brasil

Últimas de Rio de Janeiro