Jovem morta após perseguição em Nilópolis é enterrada na Baixada

Vitória Rodrigues, de 19 anos, morreu após ser atingida por uma colisão durante uma perseguição após o roubo de um celular, na Baixada

Por Marina Cardoso

Funeral de Vitória contou com a presença de familiares e amigos e foi realizado no cemitério Jardim Mesquita, em Mesquita
Funeral de Vitória contou com a presença de familiares e amigos e foi realizado no cemitério Jardim Mesquita, em Mesquita -

Rio - Centenas de amigos e familiares se despediram, na tarde deste sábado, da jovem Vitória Rodrigues, de 19 anos, que morreu após ser atingida por uma colisão durante uma perseguição por conta do roubo de um celular em Nilópolis, na Baixada Fluminense. O corpo da estudante de Direito foi enterrado no Cemitério Jardim da Saudade, em Mesquita, por volta das 16 horas.

Vitória saía da academia de moto quando foi atingida pelo carro do motorista Valério Costa Dias, de 56 anos, que iniciou uma perseguição após ter o celular roubado por dois homens em uma moto. Valério acabou batendo na moto onde estavam os criminosos, além de atingir outra motocicleta, um carro e um ônibus. Além de Vitória, mais três pessoas morreram e seis ficaram feridas. Entre os mortos, estão o motorista do veículo que iniciou a perseguição, Bruno Matheus Teotonio Rodrigues, 22 anos, que teve traumatismo craniano e faleceu na noite de sexta-feira, e um homem que, segundo o Corpo de Bombeiros, morreu no local.

O pai da estudante, Jonas Fontes, foi quem socorreu a filha. Ele trabalha próximo ao local do acidente e foi conferir o ocorrido. Ao chegar lá, Jonas viu primeiro a moto de Vitória e logo depois ela, que foi arremessada a aproximadamente 15 metros de onde estava a moto.

“Eu fui ver o acidente, não fui ver minha filha. Quando cheguei lá quem estava no chão era minha Vitória”, desabafa.

O pai conta que se desesperou e começou a chorar quando encontrou Vitória. “A moto dela estava toda amassada, formando um oito. Colocamos ela dentro de um carro e fomos até o hospital Juscelino Kubitschek, mas ela não chegou com vida até lá. O último suspiro foi na minha frente, onde ela buscou forças e não conseguiu”, diz o pai emocionado.

Segundo os parentes, a jovem estava no segundo período do curso de Direito e ajudava o pai na loja dele. Ela a filha caçula de um total de três filhas.

"A Vitória era a única que morava com os pais, era o xodó da casa e era muito querida. Ela tinha muitos amigos. Ela não costumava ir à academia naquele horário, ia no período da tarde. Infelizmente, aconteceu essa tragédia", conta o tio da jovem, Isaías Fontes.

Últimas de Rio de Janeiro