Réveillon injetará mais de R$ 3 bi na economia, diz Riotur

Número de turistas na cidade pode bater recorde

Por Agência Brasil

Posto policial no calçadão da praia de Copacabana para reforçar a segurança na festa do Réveillon 2019
Posto policial no calçadão da praia de Copacabana para reforçar a segurança na festa do Réveillon 2019 -

Rio - Com expectativa de receber 1,3 milhão de turistas e quase 100% de ocupação na rede hoteleira, a festa de réveillon em Copacabana deverá injetar mais de R$ 3 bilhões na economia da capital fluminense, além de propiciar a geração de aproximadamente mil empregos voltados exclusivamente para o evento.

As informações foram dadas hoje pelo presidente da Riotur, que participou, acompanhado do prefeito Marcelo Crivella, da vistoria ao palco da festa da passagem de ano em Copacabana, um dos mais famosos réveillons do mundo, para o qual são esperados mais de 2 milhões de pessoas.

"Estamos entregando o maior réveillon da história. Já há na cidade quase 1 milhão de turistas, 60% do próprio país; a ocupação de rede hoteleira chega a 98% e até o final da tarde deverá chegar a 100%, o que nunca houve na cidade. É um recorde e um número surpreendente, o que demonstra a força do turismo do Rio", afirmou o presidente da Riotur.

Segundo Alves, até o fim do dia de hoje, mais 350 mil turistas chegarão à cidade. "Eles estão vindo de carro, de barco, de avião, e isso reforça todo o trabalho de divulgação que foi feito pela prefeitura. O Rio foi destino prioritário de brasileiros de todas as partes do Brasil e do exterior nesta passagem de ano, mas principalmente de paulistas", enfatizou.

Marcelo Alves destacou a importância dos R$ 3 bilhões que a festa do réveillon injetará na economia local. "É um número importante para a cidade, mas o que é ainda mais importante é a geração de emprego. Só aqui neste evento do réveillon são mais de mil empregos gerados. A cidade precisa respirar eventos, entretenimento e turismo porque a resposta é imediata, para que a prefeitura tenha receita para investir na Guarda Municipal, na segurança, na saúde", afirmou.

O prefeito Marcelo Crivella, que, após vistoriar o palco principal da festa montado na Praia de Copacabana, aprovou os trabalhos de preparação para a festa e mostrou-se surpreso com o número de turistas que estão na cidade para assistir à queima de fogos à beira-mar, que caracteriza a passagem de ano no Rio.

"Copacabana vai estar lotada. Nos hotéis, nas ruas e avenidas, nas praias. Haverá caixas de som espalhadas por toda a orla, nunca tivemos uma festa tão organizada e com a orla em total segurança. Nós estamos surpresos com o número de turistas na cidade. É realmente um recorde, e o que é mais importante: o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, está aqui entre nós, vai ficar quatro dias na cidade, vai assistir a festa de réveillon. E ontem já passeou calmamente nas areias de Copacabana, mostrando ao mundo que o Rio de Janeiro não é este lugar perigoso como falam", enfatizou.

Calor e praias lotadas

O Rio vive uma véspera de réveillon festiva, com um dia de sol forte e muito calor, com as temperaturas máximas e mínimas variando entre os 20º e os 34º graus. As praias estão superlotadas e o colorido das dezenas de centenas de milhares de turistas que passeiam pela orla se misturam às cores fortes e vibrantes ostentadas pelos cariocas nesta época do ano.

"É a primeira vez, depois de uma longa expectativa, que conseguiremos passar uma noite de réveillon na praia de Copacabana. Somos um grupo de quatro casais, e todos tínhamos o sonho de passar uma noite de ano novo no Rio: é um sonho de muitos anos. Alugamos um apartamento no bairro e chegamos aqui no dia 27 para passar 10 dias", disse o argentino George dos Santos.

O sueco Mário Mattun, que passará o réveillon pela segunda vez em Copacabana, contou que esperava voltar a assistir à queima de fogos á beira-mar desde 2005, quando esteve no Rio pela primeira vez. "Gosto do Rio de Janeiro, amo o Brasil, onde já inclusive morei por dois anos e meio, adoro o brasileiro e pretendo voltar outras vezes com certeza", confessou.

Desde a manhã de hoje, o trânsito está difícil nos diversos acessos a Copacabana, onde as vias próximas à praia estarão fechadas ao tráfego a partir das 19h30, uma hora a mais do que no ano passado. Há centenas de ônibus de turistas estacionados nos bairros situados nas imediações do bairro e também do Leme e Flamengo, de Botafogo e do Aterro do Flamengo.

Este ano, segundo os organizadores, a queima de fogos da festa da virada deverá demorar 14 minutos, e já é proibido estacionar em várias ruas de Copacabana e do Leme.

Há pouco, a Avenida Atlântica foi totalmente fechada ao trânsito – a partir das 22h, o único acesso ao bairro será de metrô, cujos bilhetes especiais para a noite da virada já estão esgotados.

A Guarda Municipal, que aumentou em 67% o efetivo deslocado para a festa do réveillon, vai contar com 1.774 agentes em toda a orla, dos quais 616 estarão voltados para a orientação aos motoristas nos diversos bloqueios montados nas imediações de Copacabana.

O Centro de Operações Rio fará o monitoramento por câmeras e os ajustes que forem necessários. Reboques estão sendo utilizados para reprimir o estacionamento irregular e retirar das ruas os carros enguiçados.

Segurança

O esquema de segurança montado pela Polícia Militar (PM) para a festa da passagem de ano na Praia de Copacabana e em outros pontos onde haverá queima de fogos, como em outras praias da orla da zona sul do Rio, em Niterói, na Região dos Lagos e na Costa Verde contra com um efetivo de 15.886 policiais militares, número 25% maior do os 12.700 homens que trabalharam nas festividades do ano passado.

Segundo a porta-voz da PM, major Cláudia Moraes, deste total, 1.741 PMs vão trabalhar na orla de Copacabana onde são aguardados mais de 2 milhões de pessoas. “O foco principal, claro, é garantir a segurança da festa. Queremos que tudo ocorra da melhor maneira possível. Há 30 torres de observação, de onde o policial tem uma visão mais ampla do que está ocorrendo”, informou Cláudia.

De acordo com a policial, outra novidade neste ano é a participação no esquema do Batalhão de Rondas Especiais e Controle de Multidões (Recom). “Esta participação é muito importante exatamente pelas características do evento de hoje. Não estamos falando de policiamento comum, mas de um policiamento especial onde os agentes estarão com uniforme de praia e a atenção voltada para a areia e com todo um aparato de comunicação entre os policiais disponível”, afirmou.

A porta-voz da PM recomendou, sobretudo, que as pessoas tenham atenção muito atenção para com as crianças e não tragam vasilhame de vidro. “Com relação às crianças, toda atenção e cuidado é pouco, então que tenham uma pulseira ou tragam algo que as identifique, como um número de telefone. E é importante que, caso alguma criança se perca, seja encaminhada aos Centro Integrado de Controle Móvel”, acrescentou.

Últimas de Rio de Janeiro