'Infiltrado' na PM, jornalista revela rotina e o que pensam os policiais do Rio

Raphael Gomide decidiu prestar o longo concurso para a PMERJ, certo de que só conseguiria acessar a visão de mundo dos agentes se estivesse na corporação. Rotina é relatada em livro que concorre a prêmio da Amazon

Por Beatriz Perez

Raphael Gomide é finalista do Prêmio Livro-Reportagem Amazon por 'O Infiltrado: Um repórter dentro da polícia que mais mata e mais morre no Brasil'
Raphael Gomide é finalista do Prêmio Livro-Reportagem Amazon por 'O Infiltrado: Um repórter dentro da polícia que mais mata e mais morre no Brasil' -

Rio - No ano em que o Rio teve 151 policiais assassinados, o jornalista Raphael Gomide decidiu se infiltrar para entender quem eram e como pensavam aqueles que almejam ingressar na Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro. No ano de 2007, quando prestou concurso, 1.330 civis foram mortos pelas polícias Civil e Militar no estado. O número de mortes em decorrência de ação policial só seria superado em 2018, quando 1.532 pessoas morreram em supostos confrontos com a polícia no Rio.

Naquele ano, o repórter decidiu prestar o longo concurso para a PMERJ, certo de que só conseguiria acessar a visão de mundo dos recrutas e instrutores da corporação se estivesse infiltrado. Após passar pelas provas intelectual, física e social, frequentou o Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças da Polícia Militar (CFAP) em Sulacap, na Zona Oeste do Rio.

Aprovado no concurso, o jornalista Raphael Gomide cortou o cabelo, passou a acordar de madrugada e viver a rotina dos recrutas da PM - Arquivo Pessoal

As impressões retidas da cansativa rotina militar eram anotadas em um caderno didático, que substituía o bloco de repórter. À noite, as informações eram registradas no computador no apartamento do Leblon, Zona Sul do Rio. A experiência resultou na publicação de uma reportagem, em 2008, que foi aprofundada no livro “O Infiltrado: Um repórter dentro da polícia que mais mata e mais morre no Brasil”, publicado no fim de 2018 e que, agora, é finalista do Prêmio Livro-Reportagem Amazon. O autor compartilha, em entrevista ao DIA, o que motivava e ressentia os colegas que almejavam integrar a corporação. 

Como foi a decisão de prestar o concurso?

Eu queria entender os motivos dessa violência típica do Rio de Janeiro. O meu objetivo era tentar chegar o mais próximo da verdade. Experimentar a formação militar. Estar junto dos recrutas. Conhecer as visões de mundo deles e dos instrutores para entender a polícia do Rio e ver se o processo de formação tinha impacto na violência policial.

No livro, o repórter conta detalhes da rotina dos recrutas, como a vibração nas marchas e cantos, recompensada pela prioridade no ingresso ao refeitório - Arquivo Pessoal

Qual é esta violência típica do Rio?

Os policiais não morriam assim há 20 anos. Em algum momento dos anos 90, criou-se um ciclo de violência. Muitas vezes a polícia, em vez de prender, matava, mesmo com o cara sob custódia. Por outro lado, os bandidos também pensavam: "Se me render, vou morrer. Vou trocar tiro até morrer”. E quando tinham a oportunidade de se vingar, passaram a matar policial na rua.

O que te chamou a atenção na formação dos policiais?

Todos falam muito contra a corrupção: os oficiais, o comandante do CFAP, o comandante do Curso de Formação de Soldados (CFSd), os instrutores, sargentos. Eles falam: “Se quiser ser corrupto, vai desonrar sua família, acabar preso ou morto”. É um discurso muito forte.

Por outro lado, há um discurso de normalização da violência no CFAP. “Se deu um tiro pelas costas, pega a arma do cara, dá um tirinho, e diz que foi legítima defesa”, disse um aspirante. “Isso vocês vão aprender na rua”, completou.

O que corrobora para esta violência policial?

O policial teme pela própria vida no futuro e acaba fazendo a justiça com as próprias mãos, o que é criminoso. Eu ouvi de um colega: “Prender (o suspeito) é a mesma coisa que colocar um animal na jaula. Depois ele vai sair e te matar”. Ele não confia no aparato judicial, de que o cara vai continuar preso. Todo esse estresse e insegurança aumentam a violência policial.

A limpeza do rancho, o refeitório, pelos recrutas foi substituída por serviço terceirizado, após a publicação da reportagem, o que foi comemorado pelos colegas de Gomide - Arquivo Pessoal

O medo é uma marca do policial?

Dos recrutas até os instrutores, todos relatavam episódios em que se envolveram em situações de risco. O cara conta que na folga teve o carro roubado, que estava no ônibus e teve que jogar a carteira para fora para não ser identificado como policial. Os instrutores ensinam a guardar a farda pelo avesso na mochila, embaixo do banco traseiro. São estratégias para diminuir o risco de morte.

Como os policiais lidavam com o porte de armas?

Era um dilema permanente. A maioria achava que tinha que carregar a arma. Menos gente achava que não. O problema é que o policial circula no bairro e, muitas vezes, todos o conhecem. Se depois, desarmado, ele for abordado por um criminoso, não teria nem a possibilidade de se defender. Para o policial é difícil não andar armado. Mas, o cara armado tem mais chance de ser morto do que desarmado. Os policiais andam de carro prontos para reagir. O bandido nunca está sozinho. A maioria das mortes é durante a folga. No trabalho, você raramente está sozinho. É mais difícil ser abordado.

Raphael Gomide frequentou a Polícia Militar em 2008, ano em que seriam instaladas as UPPs e em meio ao sucesso do filme 'Tropa de Elite', que empolgava os colegas - Arquivo Pessoal

O policial é ressentido com a sociedade?

Existe um ressentimento grande porque eles estão expondo a vida o tempo todo, não só durante o trabalho. A taxa de mortalidade do policial é seis vezes maior que a da população média do Rio. Eles estão muito expostos.

Como os colegas reagiram ao saber que era um jornalista infiltrado?

Quando publiquei a reportagem os colegas adoraram. Nenhum veio falar que eu estava criticando a violência indevidamente. Quando reproduzo na reportagem, ou no livro, os discursos, eles não veem como uma crítica. Os colegas adoraram a matéria porque mostrava a falta de estrutura do CFAP, o medo e a insegurança com que convivem. Depois fui na formatura, já como jornalista, tiramos fotos e tudo.

Repórter passou em concurso e frequentou por 23 dias o Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (CFAP), em Sulacap, Zona Oeste do Rio - Arquivo Pessoal

Você teve medo de se infiltrar na PM?

Eu fiquei preocupado, mas minha família ficou mais. Eu tinha medo de algum tipo de vingança. De alguém ficar incomodado com a matéria. Mas, por outro lado, eu achava que, diferentemente de outras situações, eu estava dentro do aparelho estatal. Eu podia recorrer ao estado no caso de alguma intimidação, e foi o que aconteceu quando a matéria foi publicada.

O que houve?

Policiais da inteligência foram para a porta da minha casa no dia seguinte à publicação. Ficaram lá o dia inteiro. Eles são os responsáveis pela pesquisa social, fase da seleção em que os policiais vasculham a vida prévia do candidato. Depois que saiu a reportagem, se sentiram enganados. Devem ter levado uma bronca. Aí, quando a matéria saiu houve esta intimidação. A minha família ficou muito assustada. Mas, falei com a assessoria do Pezão, vice-governador na época, e tiraram os caras de lá.

Recomenda - Alexandre Brum / Agencia O Dia

O que mudou na sua cobertura policial como jornalista?

Eles se sentem injustiçados. Acham que a imprensa só fala mal deles. Não mostra nada bom. Só mostra o policial fazendo besteira. Também é uma dificuldade de aceitar críticas e entender que a imprensa fiscaliza todos os poderes, inclusive o policial.

Para mim, foi muito importante para criar mais empatia pelos policiais. Quando você está na favela levando tiro, você atira. É claro que quanto mais bem preparado, menos vai atirar, mais preciso vai ser. É preciso repensar o confronto e treinar melhor. 

Galeria de Fotos

Raphael Gomide é finalista do Prêmio Livro-Reportagem Amazon por 'O Infiltrado: Um repórter dentro da polícia que mais mata e mais morre no Brasil' Alexandre Brum / Agencia O Dia
Recomendações dos superiores são relatadas no livro: 'Quem tem barba cerrada, não adianta fazer na véspera! Se tiver de fazer duas vezes no dia, dá seu jeito", lembra a orientação de um tenente Alexandre Brum / Agencia O Dia
Aprovado no concurso, o jornalista Raphael Gomide cortou o cabelo, passou a acordar de madrugada e viver a rotina dos recrutas da PM Arquivo Pessoal
No livro, o repórter conta detalhes da rotina dos recrutas, como a vibração nas marchas e cantos, recompensada pela prioridade no ingresso ao refeitório Arquivo Pessoal
A limpeza do rancho, o refeitório, pelos recrutas foi substituída por serviço terceirizado, após a publicação da reportagem, o que foi comemorado pelos colegas de Gomide Arquivo Pessoal
Raphael Gomide frequentou a Polícia Militar em 2008, ano em que seriam instaladas as UPPs e em meio ao sucesso do filme 'Tropa de Elite', que empolgava os colegas Arquivo Pessoal
Repórter passou em concurso e frequentou por 23 dias o Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (CFAP), em Sulacap, Zona Oeste do Rio Arquivo Pessoal

Comentários