Ex-PM é preso ao tentar sequestrar traficante na Zona Norte

Ele foi expulso da corporação em 2003 pelo mesmo crime e preso no mesmo ano. O bandido cumpriu 15 anos e foi solto no ano passado

Por RAFAEL NASCIMENTO

O ex-PM Renato Assis da Silva já havia sido preso em 2003 pelo mesmo crime -

Rio - Um ex-policial militar foi preso, no fim da manhã desta quarta-feira, em Anchieta, na Zona Norte do Rio, sob suspeita de fazer parte de um grupo que sequestra e extorque traficantes de várias comunidades do Rio. Renato Assis da Silva, de 43 anos, e outros três homens iriam sequestrar um criminoso do Complexo do Chapadão, em Costa Barros, também na Zona Norte.

Ele foi expulso da corporação em 2003 pelo mesmo crime e preso no mesmo ano. Renato cumpriu 15 anos e foi solto no ano passado.

De acordo com o delegado William Medeiros Pena, titular da 37ª DP (Ilha do Governador), agentes receberam uma denúncia anônima no setor de inteligência da distrital nesta terça, dando conta de que o ex-PM sequestraria um bandido.

Nesta manhã, os agentes foram Anchieta — bairro onde morava o homem — e o seguiram. Em determinado ponto, o suspeito deixou um carro em uma rua de Ricardo de Albuquerque e seguiu com pelo menos três comparsas, em outro veículo, para o local onde iria sequestrar o criminoso.

Ao notar que estava sendo seguido por uma viatura descaracterizada, Renato conseguiu fugir e voltou para o local onde havia deixado seu carro. No entanto, ele não esperava que outros policiais estivessem na região e foi capturado em seguida.

Com o ex-PM, os investigadores da 37ª DP encontraram uma pistola 9mm com mais de 40 munições e carregador alongado. A ação teve apoio da 31ª DP (Ricardo de Albuquerque).

Segundo o delegado, o ex-PM já havia sequestrado um traficante e exigido resgate. "É impressionante que, mesmo depois de mais de uma década preso, o ex-PM tenha voltado a cometer esse tipo de crime", disse. "Neste momento a Polícia Civil necessita que vítimas, testemunhas ou pessoas que saibam da atuação do criminoso, denunciem", completou.

Comentários