Rio está sem inseticida para combater dengue, chikungunya e zika

Normalização do estoque depende de repasse do produto pelo Ministério da Saúde

Por Agência Brasil

Informação foi dada na Comissão de Saúde da Alerj
Informação foi dada na Comissão de Saúde da Alerj -
Rio - O Estado do Rio está com falta de inseticidas utilizados no controle de mosquitos Aedes Aegypti adultos, transmissores da zika, da chikungunya e da dengue. A normalização do estoque depende de repasse dos inseticidas pelo Ministério da Saúde, que são comprados por meio de licitação internacional.

As informações foram repassadas pelo superintendente de Vigilância Epidemiológica da Secretaria estadual de Saúde, Mário Sérgio Ribeiro, durante audiência pública da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).
"Nossa expectativa é que os números de casos diminuam com a chegada do inverno para não termos que depender tanto dos inseticidas", disse.
Dr. Mário Sérgio, da Secretaria estadual de Saúde - Julia Passos / Alerj


ESTATÍSTICA
Ribeiro apresentou dados atualizados da Secretaria das doenças. Entre janeiro e 4 de junho deste ano, houve 41.888 casos de chikungunya, 20.622 casos de dengue e 1.005 pessoas infectadas por zika. Ao todo, 13 pessoas morreram, todas vítimas da chikungunya, sendo 10 na capital.

A presidente da Comissão de Saúde da Alerj, a deputada Martha Rocha (PDT), declarou estar preocupada com a situação.
"Temos um diagnóstico alarmante. Já foram 13 mortes por chikungunya este ano, sendo que os especialistas ainda afirmam que a doença não é totalmente conhecida. Também há constantes falhas no diagnóstico e agora a notícia do desabastecimento de inseticidas. Vejo dias muito difíceis no setor de saúde estadual", afirmou.

O deputado Márcio Gualberto (PSL) disse ser necessária uma melhor campanha de conscientização da população.
"É preciso mudar a cultura para que a população faça a prevenção contra o mosquito dentro de casa, não deixando água parada, entre outras ações. Também acho que deva ter uma maior integração entre os poderes públicos municipais, estadual e federal para superarmos as epidemias", sugeriu.
A presidente da comissão, a deputada Martha Rocha - Julia Passos / Alerj


MINISTÉRIO DA SAÚDE
Em nota divulgada no dia 30 de maio, o Ministério da Saúde informou que a Secretaria de Vigilância em Saúde está trabalhando na tentativa de minimizar os problemas causados pela falta do inseticida.
Segundo a nota, devido ao desabastecimento, que atingiu não apenas o Rio, mas também outras unidades da federação, houve a tentativa de empréstimo do inseticida com outros países da América do Sul, mas não havia disponibilidade do produto.

"Dessa forma, devido o desabastecimento, reforça-se a necessidade da intensificação das ações de rotina visando diminuir a transmissão de casos, com a realização de visita casa a casa, resgate de imóveis pendentes, mobilização da população e mutirões de limpesa. As ações de controle vetorial devem ser planejadas para serem executadas de forma permanente, promovendo a articulação sistemática com todos os setores do município (educação, saneamento, limpeza urbana, etc)", o comunicado pediu.

De acordo com dados divulgados pelo ministério, o estado do Rio recebeu 17.800 litros de inseticida para combater o Aedes Aegypti ao longo do ano de 2018 e 4.800 litros até o dia 30 de abril.
Deputado Márcio Gualberto - Julia Passos / Alerj

Galeria de Fotos

Informação foi dada na Comissão de Saúde da Alerj Julia Passos / Alerj
Dr. Mário Sérgio, da Secretaria estadual de Saúde Julia Passos / Alerj
Deputado Márcio Gualberto Julia Passos / Alerj
A presidente da comissão, a deputada Martha Rocha Julia Passos / Alerj

Comentários