Irmã fazia queixa de agressão contra irmão enquanto ele matava o pai em casa em Niterói

Samuel Cunha, morto a facadas pelo próprio filho em Camboinhas, área nobre da Região Oceânica da cidade, na tarde desta quarta-feira, era médico endocrinologista e professor da Universidade Federal Fluminense (UFF)

Por Adriano Araujo e Rafael Nascimento

Médico foi assassinado pelo próprio filho em Camboinhas, área nobre de Niterói
Médico foi assassinado pelo próprio filho em Camboinhas, área nobre de Niterói -
Rio - Samuel Cunha, morto a facadas pelo próprio filho em Camboinhas, área nobre da Região Oceânica de Niterói, na tarde desta quarta-feira, era médico endocrinologista e professor da Universidade Federal Fluminense (UFF). O autor do crime, Cristian Limpias Cunha, 32 anos, agrediu a irmã, que fazia uma queixa na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam) da cidade quando o pai acabou assassinado.

"Na manhã de ontem (quarta), o autor teria agredido a irmã. Ela, então, foi registrar queixa da agressão na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam), no Centro de Niterói. Enquanto a mulher registrava a ocorrência, o irmão cometeu o assassinato do pai", disse a delegada Bárbara Lomba, titular da Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI).

Cristian foi preso em flagrante ainda na cena do crime e confessou ter matado o pai. Segundo fontes da polícia, ele teria esquizofrenia e seria usuário de drogas, tendo usado quando cometeu o assassinato. A família, que mora em uma casa em Camboinhas, foi atingida há três meses por outra tragédia: a perda da mulher do médico e mãe do assassino.
Christian Limpias Cunha matou a facadas o pai, o médico Samuel Cunha, dentro de casa em Camboinhas - Reprodução


O corpo de Samuel Cunha foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) de NIterói. Ainda não há informações sobre o velório e sepultamento da vítima. Pelas redes sociais, pessoas que conviveram com o médico lamentaram a sua morte e destacaram sua dedicação com profissional.
"Aquele médico incrível que olhava o paciente nos olhos. Que ficava o tempo que fosse necessário, até que não houvesse mais dúvidas. Que se alegrava em contar orgulhoso, das suas aulas na UFF. Enquanto acadêmico e professor. (...) Aquele médico que de uma simples consulta, se tornou uma amizade. Que sempre mencionava o quanto amava seus filhos, e família. (...) Perder a vida, através de alguém que sempre protegeu e amou. Que descanse em paz.... Dr. Samuel Cunha", escreveu uma amiga.
Samuel trabalhava no PAM de Alcântara há mais de 30 anos, segundo a Secretaria Municipal de Saúde de São Gonçalo. "Que tristeza Senhor. Dr. Samuel Cunha, descanse em paz!!", escreveu uma pessoa em rede social, que o conhecia do Posto de Atendimento Médico.
O profissional dava aulas no curso de medicina da Universidade Federal Fluminense (UFF) desde 1976 e estava próximo de se aposentar. Em nota, a instituição lamentou a morte de Samuel.
"Com profundo pesar, comunicamos a morte do servidor Samuel Cunha, médico e professor do curso de medicina da UFF. A Universidade Federal Fluminense lamenta a morte do professor e manifesta a solidariedade com os familiares e com todos aqueles que fizeram parte de sua vida acadêmica", diz o texto. 
Casa onde aconteceu o crime fica na Rua 36, em Camboinhas - Reprodução Google Maps

Galeria de Fotos

Médico foi assassinado pelo próprio filho em Camboinhas, área nobre de Niterói Reprodução
Casa onde aconteceu o crime fica na Rua 36, em Camboinhas Reprodução Google Maps
Christian Limpias Cunha matou a facadas o pai, o médico Samuel Cunha, dentro de casa em Camboinhas Reprodução

Comentários