Com interdição da Avenida Niemeyer, estudantes do Vidigal sofrem para ir às aulas

Centenas de jovens da comunidade precisam caminhar até 30 minutos para chegar à sala de aula

Por LUANA BENEDITO

Interdição na Avenida Niemeyer ocorreu em 28 de maio após determinação da Justiça, pois havia risco de novos deslizamentos
Interdição na Avenida Niemeyer ocorreu em 28 de maio após determinação da Justiça, pois havia risco de novos deslizamentos -
Rio - Estudantes do Morro do Vidigal, na Zona Sul do Rio, têm sofrido com as dificuldades de locomoção. Devido à interdição da Avenida Niemeyer, ocorrida no dia 28 de maio, em função de deslizamentos na via, centenas de jovens da comunidade precisam caminhar até 30 minutos para chegar à sala de aula. A Secretaria Municipal de Educação (SME) se comprometeu em auxiliar o deslocamento dos alunos com a disponibilização de veículos. A promessa foi feita ontem durante uma reunião com representantes da comunidade, da pasta e o deputado estadual Carlo Caiado (DEM).
De acordo com o fiscal de transporte alternativo Elias Pinto, nem sempre o morador tem dinheiro para pagar as passagens dele próprio e do filho que tem que ir para a escola. “E se ele não tem dinheiro, a criança não vai para aula. Da entrada do Morro até o colégio mais próximo, pode-se levar 30 minutos. O aluno já chega cansado”, lamenta.

Para o guardião de piscina Luciano Teixeira, a interdição também representou um custo extra nas despesas. “Tenho que pagar passagem de van de ida e de volta para minha filha. Não dá para ela ir andando até o Leblon. A gente mora no alto do morro”, reclamou.

O deputado Carlo Caiado apresentou como solução o uso do Ônibus da Liberdade, projeto de transporte gratuito para estudantes das escolas da rede municipal localizadas em áreas onde não existe atendimento ou dificuldade de transporte público coletivo. “A SME vai realizar estudo imediato de quantos ônibus serão precisos e quantos alunos serão atendidos. Haverá a produção de carteirinha de identificação aos beneficiários”, disse. O parlamentar estima que entre 200 e 300 alunos da rede municipal foram afetados com a interdição da via.

No entanto, para viabilizar a proposta, há a necessidade da liberação, por parte da Justiça, da circulação de veículos na Avenida Niemeyer. De acordo com Caiado, o encontro com o promotor do Ministério Público já foi marcado para o próximo dia 25. “É um problema grave. Os alunos não podem
deixar de frequentar a escola. O acesso Vidigal-Leblon não apresentou problemas, e sim, o trecho Vidigal-São Conrado”, ressaltou o parlamentar. 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários