Delegacia de Homicídios faz operação contra milícia de Jacarepaguá

São oito mandados de prisão e sete de busca e apreensão

Por RAFAEL NASCIMENTO e RAI AQUINO

Também estão sendo cumpridos mandados de busca e apreensão
Também estão sendo cumpridos mandados de busca e apreensão -
Rio - A Delegacia de Homicídios da Capital (DH) faz, desde o fim da madrugada desta sexta-feira, a Operação Carraspana para prender oito pessoas ligadas a uma milícia que atua na Gardênia Azul e na localidade conhecida como Tirol, na Freguesia, ambas regiões de Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio. Além das prisões, os agentes cumprem sete mandados de busca e apreensão.
Até o momento, dos procurados, a polícia prendeu Andreza do Carmo Santos, suspeita de fazer parte do grupo paralimitar. Ela é investigada pela morte do companheiro Antônio Marcos Vilela Pereira, em 15 de fevereiro do ano passado, na casa em que eles viviam, no Gardênia Azul
Andreza do Carmo Santos - Reprodução
O chefe do grupo paralimitar, Almir Rogério Gomes, é um dos alvos e já é considerado foragido. Ele, José Inácio de Almeira Vieira, o Pará, Leonardo Pereira de Oliveira, Leo Milícia, e Marcelo de Mattos da Silva, Pirrinho, são investigados pela morte de Eliézio Victor dos Santos Lima, de 27 anos, no Dia das Crianças do ano passado.
De acordo com o delegado Jefferson Ferreira Nascimento, na comemoração, a vítima brigou com a mulher durante um evento na data e milicianos do grupo de Almir foram repreendê-lo. O homem não gostou e houve um bate-bota. Com isso, Almir pediu que Pará, Leo Milícia e Pirrinho o matassem. Foi quando se iniciaram as investigações. 
"Essa quadrilha age impondo o medo na comunidade. Eles extorquem moradores, comerciantes e exploram o comércio ilegal de gás e outras atividades", destaca o delegado. "Esse homicídio que culminou com a abertura da investigação e na operação foi realizado por milicianos como forma de castigos à vítima, após ela enfrentar esse grupo criminoso tendo sua vida ceifada".
O nome da operação é uma alusão a "bebedeira", remetendo ao evento em que Elízio foi morto.
Os principais alvos da operação de hoje - Reprodução
BUSCAS SEGUEM
Dentre os outros três procurados estão Ricardo da Silva Alves e Jaqueline Oliveira dos Santos. Todos eles também têm mandados de prisão em aberto por homicídios.
Dentre os locais que os policiais estiveram está um condomínio de casas na Rua Marujá. Eles também foram à Rua Peroba e em uma loja de pinturas de automóveis na Avenida Isabel Domingues.
"Nós apreendemos anotações, computadores e celulares nas casas de alguns alvos. Esse material será utilizado para próximas operações e inquéritos", o delegado conta. "Estamos investigando diversos homicídios praticados por essa quadrilha. As buscas continuam até o final do dia e esperamos prender outras pessoas".
Ricardo da Silva Alves e Jaqueline Oliveira dos Santos - Reprodução
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Galeria de Fotos

Também estão sendo cumpridos mandados de busca e apreensão Rafael Nascimento / Agência O DIA
Agentes deixaram a sede da DH ainda de madrugada Rafael Nascimento / Agência O DIA
Agentes deixaram a sede da DH ainda de madrugada Rafael Nascimento / Agência O DIA
Buscas feitas na Rua Maruja Rafael Nascimento / Agência O DIA
São sete mandados de prisão Rafael Nascimento / Agência O DIA
Os principais alvos da operação de hoje Reprodução
Andreza do Carmo Santos Reprodução
Material apreendido na operação Rafael Nascimento / Agência O DIA
Material apreendido na operação Rafael Nascimento / Agência O DIA
Material apreendido na operação Rafael Nascimento / Agência O DIA
Material apreendido na operação Rafael Nascimento / Agência O DIA
Ricardo da Silva Alves e Jaqueline Oliveira dos Santos Reprodução

Comentários