Advogado de filho de Flordelis diz que arma pode ter sido plantada na casa

Maurício Eduardo Mayr, que representa Flavio dos Santos, um dos filhos da deputada federal Flordelis que está preso, afirma que pistola só foi achada na segunda busca na casa e que ninguém da família acompanhou os agentes

Por RAFAEL NASCIMENTO

Flávio dos Santos Rodrigues, filho da deputada Flordelis, é apontado como o atirador que matou Anderson do Carmo, seu pai adotivo
Flávio dos Santos Rodrigues, filho da deputada Flordelis, é apontado como o atirador que matou Anderson do Carmo, seu pai adotivo -
Rio - O advogado Maurício Eduardo Mayr, que representa Flavio dos Santos, um dos filhos da deputada federal Flordelis — que está preso — afirmou que a arma encontrada pela Polícia Civil, na casa da parlamentar, uma Bersa 9mm, pode ter sido plantada pelos policiais. O defensor também colocou em xeque a investigação e a confissão do cliente. Mauricio chegou a Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI) por volta de 13h30 para ver o cliente.

"Essa questão da arma está sendo apurada de como chegou ao local. A polícia fez duas buscas e apreensões, antes no local, e não encontraram arma. Os policias são pessoas muito investigativas e perspicaz e teriam achado essa arma num primeiro momento. Não acharam o celular, mas acharam a arma dois dias depois. Pode ter sido plantada? Pode. Podia estar lá e eles não terem achado? Podia. Mas, a busca e apreensão não foi acompanhada por ninguém da família. O que eu ouvi dos irmãos do Flávio é que eles esvaziaram a casa e ninguém da família acompanhou", disse o Maurício.
“A arma estava em local de fácil acesso. A arma teria sido plantada por alguém em interesse a morte do pastor. Houve uma romaria na casa e durante as buscas, varias pessoas — inclusive os policias — poderiam ter guardada (a arma)”, completou o advogado.

"Um policial aparece na gravação segurando a arma sem luvas e depois repassa para o outro que estava sem proteção. E depois um perito manuseia a arma também sem luvas. Afinal, quantas digitais tem essa arma?", questionou Mayr.
O defensor disse que não teve acesso ao inquérito até hoje e disse que seu cliente está em condições insalubres. "Falei com o Flavio e ele está debilitado, mal alimentado, não tem banho de sol. Isso não cabe dizer se ele é inocente ou não. Só queremos que ele seja transferido, pois ele não está sendo bem tratado. Os cachorros da delegacia estão mais bem tratados com o meu cliente", completou.

“Eu conversei com o Flávio sobre o caso mas não perguntei sobre a arma e o celular. Só fiz questões técnicas como a confissão. Não sabemos se a confissão foi a base de remédio, já que ele foi atendido varias vezes aqui na delegacia. Queremos saber como foi prestada essa pseudo-confissão, se foi a base de remédios, que horas foi”, afirmou.

Ainda de acordo com Maurício, nesta terça-feira, a Polícia Civil fez nova busca na casa de Flordelis, enquanto ela concedia entrevista coletiva. "Ontem, fizeram buscas e apreensões na casa dela para recolher celulares e outros objetos", disse. "No momento que os filhos prestavam depoimento (na última segunda), um filho entregou o celular. Não sabemos se essa ida ao carro foi munido de mandado ou não. Rechaçamos isso”. Por fim, Maurício disse que "pela ausência da defesa não houve confissão" e que vai recorrer à Justiça caso seu cliente não seria transferido o mais rápido possível.
Novo advogado de Lucas quer mantê-lo na DHNSGI
O novo advogado de Lucas, Victor Vianna, disse que não vai pedir a transferência de seu cliente da DHNSGI para um presídio. Segundo Vianna, ele vai ouvir Lucas nesta tarde para pegar mais detalhes do caso. Ainda de acordo com o defensor, o único contato com o cliente foi para anunciar a troca de advogados. "Eu não vou pedir que ele deixe aqui. O Lucas está sendo bem tratado e por hora não vejo o motivo de sua transferência dele", disse.
A decisão vai no sentido contrário a do advogado Anderson Rollemberg, que representa tanto Flávio e queria que eles deixassem a especializada e fossem mandados para um presídio. Nesta terça-feira, ele disse que se eles não fossem transferidos, iria entrar com um pedido na justiça e acionaria os direitos humanos. Rollemberg chegou a representar Lucas, mas agora está acompanhando juridicamente somente o filho biológico de Flordelis.
Rollemberg alegou que houve um acordo para a transferência de Flávio e Lucas, mas fontes ligadas à DHNSGI dizem que não houve nenhuma tratativa no sentido de tirá-los da carceragem da especializada.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários