'Um matando o outro', diz delegada sobre milicianos da quadrilha de Ecko

Criminosos foram alvos de operação realizada nesta quarta; cinco foram presos, dentre eles um PM reformado

Por RAFAEL NASCIMENTO

O PM Clayton da Silva Novaes foi um dos alvos da operação desta quarta
O PM Clayton da Silva Novaes foi um dos alvos da operação desta quarta -
Rio - Os milicianos envolvidos na operação da Polícia Civil desta quarta-feira matavam os próprios aliados para assumir o controle das empresas envolvidas na lavagem de dinheiro da quadrilha. A informação é da chefe do Departamento de Combate à Corrupção ao Crime Organizado e à Lavagem de Dinheiro (DCCCOLD), a delegada Patrícia Alemany, responsável pela ação de hoje, que terminou com seis presos.
"É um matando o outro para ficar com essas empresas", conta Alemany, dizendo que a briga era pelo controle da Macla Comércio e Extração de Saibro.
A empresa está no nome de Luís Antônio da Silva Braga, conhecido como Zinho, foragido na ação de hoje. Zinho é irmão de Wellington da Silva Braga, o Ecko, que comanda a maior milícia do estado, alvo da operação.
A delegada afirma que, além da disputa interna, os milicianos também matavam os concorrentes na área de incorporação e exploração de água, areia e saibro na Baixada Fluminense. Eles teriam praticado pelos menos cinco homicídios por causa das disputas.
Grupo criava empresas de extração de areia para 'lavar' dinheiro da quadrilha - Reprodução
MOVIMENTAÇÃO DE R$ 42 MILHÕES
A investigação da DCCCOLD apontou que de 2012 a 2017, o grupo, que é o braço financeiro da quadrilha de Ecko, movimentou R$ 41 milhões. A operação de hoje conseguiu o sequestro de R$ 11 milhões desses.
Alemany conta que chegou até os presos rastreando a movimentação econômica da quadrilha. "O cara não tem nada e compra um apartamento... a partir daí, ficamos de olho no cara e rastreando os bens de parentes, como primos, irmãos", afirma.
PM PRESO
Dentre os presos na operação desta quarta está o policial militar reformado Clayton da Silva Novaes. Ele foi encontrado em casa, no bairro Lajes, em Paracambi, na Região Metropolitana do estado.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Galeria de Fotos

O PM Clayton da Silva Novaes foi um dos alvos da operação desta quarta Rafael Nascimento / Agência O DIA
Grupo criava empresas de extração de areia para 'lavar' dinheiro da quadrilha Reprodução
O PM Clayton da Silva Novaes foi um dos presos na operação desta quarta Cléber Mendes / Agência O Dia

Comentários