Sobrevivente de ataque a família em Marechal Hermes apresenta melhoras

Wladimyr Dativo dos Santos, de 41 anos, foi baleado em diversas partes do corpo e está internado no Hospital Municipal Albert Schweitzer. Só ele sobreviveu ao ataque que matou sua mulher, filho e enteada

Por O Dia

Luciana e o marido, Wladimir Dativo dos Santos
Luciana e o marido, Wladimir Dativo dos Santos -
Rio - Único sobrevivente de uma família atacada a tiros em casa em Marechal Hermes, Zona Norte do Rio, na madrugada de quarta-feira, Wladimyr Dativo dos Santos, de 41 anos, apresenta melhoras no quadro de saúde. Ele foi baleado em diversas partes do corpo e está internado no Hospital Municipal Albert Schweitzer. Até ontem, ele estava com quadro de saúde grave, lúcido e estável. 
O ataque matou três pessoas. Lindsay de Almeida Reis, 15, morreu na hora. Sua mãe, Luciana Almeida da Silva, 35, foi atingida na coxa e virilha esquerda e no braço direito, chegou a ser socorrida no Hospital Carlos Chagas, mas não resistiu aos ferimentos. Wictor Dativo de Almeida, 7, filho de Wladimyr e Luciana, foi atingido na cabeça e chegou a ficar em estado gravíssimo no Hospital Pedro II, onde morreu na noite de quarta.

Galeria de Fotos

Família assassinada em Marechal Hermes, Zona Norte do Rio, na madrugada de quarta, foi sepultada na quinta-feira Reginaldo Pimenta/Agência O Dia
Amigos prestaram homenagens com um livro de poesia com textos da jovem de 15 anos Reginaldo Pimenta / Agência O DIA
Mãe e filhos são as vítimas fatais do ataque Arquivo Pessoal
Da esquerda para a direita: Wladimyr, Lindsay, Luciana e Wictor Arquivo Pessoal
Luciana e o marido, Wladimir Dativo dos Santos Arquivo Pessoal
Uma das linhas de investigação da polícia é que o ataque aconteceu por causa da disputa de uma herança envolvendo a família. Os policiais também cogitam a hipótese de Wladimyr ter sido o alvo dos bandidos, que também acabaram atirando nas outras pessoas.
Testemunhas reconheceram, na quarta-feira, um dos envolvidos nas mortes. Na quinta-feira, policiais da Delegacia de Homicídios da Capital (DH) foram até o Albert Schweitzer para colher o depoimento de Wladimyr. Na ocasião, o titular da DH, o delegado Daniel Rosa, afirmou que iria ter a identificação dos autores em "um curto estaço de tempo".
Wladimyr tem quatro passagens pela polícia, por lesão corporal, roubo de carga, porte ilegal de arma e homicídio. A Secretaria estadual de Administração Penitenciária (Seap) disse que ele estava em liberdade desde maio.
Enterro
Cerca de 300 pessoas acompanharam o sepultamento de Luciana Almeida da Silva, de 35 anos, do filho, Victor Almeida, e da filha, Lindsay de Almeida Reis, de 15 anos, no Cemitério de Olinda, em Nilópolis, na Baixada Fluminense, na quinta-feira. Sob forte comoção e revolta, familiares e conhecidos foram se despedir das vítimas. Durante o sepultamento, amigos prestaram homenagens com um livro de poesia com textos da jovem de 15 anos.

"A gente não entende porque aconteceu isso com as crianças. As crianças não tinham ficha criminal. Quem teve esses problemas é o Wladimyr", lamenta um familiar, que não quis se identificar. "Ele é que estava tentando ressocializar a vida dele".
"A gente está estarrecido pelas crianças. Por que fizeram isso com elas?", o parente questiona. "Eles passaram o fim de semana juntos e estavam bem alegres. Não entendemos a motivação do crime".

Comentários