Witzel: ‘Se tem operação, não fica no ponto de ônibus’

Governador sugere medida como solução para tentar evitar mortes em tiroteios

Por O Dia

-
O governador Wilson Witzel parece ter encontrado uma solução para tentar evitar novas mortes de inocentes durante confrontos entre policiais e traficantes. Determinado a não mexer na política de enfrentamentos diários nas comunidades do Rio, Witzel sugere que os moradores evitem ficar em pontos de ônibus durante tiroteios.
“Se você tá com operação naquele local, não fica no ponto de ônibus. Nós vamos passar isso para a população, já devia ser natural, tem operação ali, não ficar no ponto de ônibus ouvindo tiro, tem que sair, nós vamos trabalhar mais isso com a população. A polícia vai nas comunidades, vamos orientar a comunidade como se comportar numa situação em que há a operação da polícia — disse Witzel, ontem à noite, após participar de uma reunião com o vice-presidente Hamilton Mourão, em Brasília.
O discurso parece ser diretamente para a morte do jovem Gabriel Alves, de 18 anos. No último dia 9, o atleta do futsal do Olaria foi morto por bala perdida quando esperava o ônibus na Rua Conde de Bonfim, a mais importante da Tijuca.
Visivelmente incomodado com os questionamentos frequentes que vem sofrendo sobre sua política de segurança, Witzel avisou que não pretende mexer em nada. Nem recuar. “A polícia vai continuar
entrando nas comunidades, vai continuar entrando nos bairros porque a polícia enfrenta o crime organizado. Quem mata é o crime organizado, não é a polícia.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários