Radares fixos em áreas de risco começam a ser desligados no Rio

Na primeira etapa, 15 aparelhos são desativados pelo DER na RJ-106 (Amaral Peixoto) e na RJ-104

Por O Dia

Funcionário do DER-RJ cobre com saco plástico um dos radares desativados
Funcionário do DER-RJ cobre com saco plástico um dos radares desativados -
O Departamento de Estradas de Rodagem (DER-RJ) desativou, ontem, 15 radares fixos que estavam instalados em áreas de risco nas rodovias RJ-106, conhecida como Avenida Amaral Peixoto, e na RJ-104. A medida foi tomada em cumprimento à Lei estadual 7580/17, que determina a retirada de radares em locais perigosos para os motoristas.
Os 15 equipamentos fazem parte apenas do primeiro lote de radares desativados. A lista foi elaborada pelo Batalhão de Polícia Rodoviária junto à Diretoria de Operação, Monitoramento e Controle de Trânsito do órgão. Com base em novas informações da Polícia Militar, outros equipamentos serão desativados das estradas estaduais, provavelmente ainda este ano.
Todos os trechos contemplados na primeira etapa ficam dentro dos limites das cidades de Niterói e São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio. Nesses locais, o departamento também está retirando todas as placas de sinalização que, até então, orientavam os motoristas sobre a existência de fiscalização eletrônica.
Localizados no Km 6,7 da RJ-106, em ambos os sentido, o primeiros equipamentoa foram retiradoa ontem. Para não confundir os motoristas, os outros 13 desligados, que ainda não foram removidos, ficarão cobertos por plásticos pretos até serem retirados. A remoção acontecerá a partir da semana que vem.
“O DER está cumprindo a lei, desligando os radares em áreas de risco, o que já deveria ter sido feito. O governo do estado está atento às demandas da população. Onde houver área de risco indicada pelo BPRV, e ratificada pela nossa equipe técnica, haveráretirada de radares”, disse o presidente do DER-RJ, Uruan Cintra de Andrade.
A primeira lista com as localizações dos equipamentos em áreas de risco foi encaminhada ao DER após um encontro, em junho, entre o presidente do órgão e o Coronel Porto, comandante do Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv), que é a unidade da Polícia Militar responsável por monitorar as estradas estaduais. O mapeamento está sendo feito com base nos indicadores criminais de Segurança Pública.
Um 16º radar, incluído na primeira listagem do BPRv, não foi removido pelo DER, por ora, porque fica localizado num cruzamento perigoso. O departamento fará uma análise técnica mais minuciosa, a fim de que seja garantida a segurança dos pedestres. O equipamento fica localizado no KM 13 da RJ-104.

Fiscalização na mira de Bolsonaro
A fiscalização eletrônica está na mira do presidente Jair Bolsonaro. No dia 15, o governo determinou a suspensão do uso de radares móveis em rodovias federais. A medida também serve para os equipamentos estáticos (colocados em tripés) e portáteis (direcionados manualmente aos veículos).
“Estou com uma briga na Justiça para acabar com os radares móveis do Brasil. Isso é coisa de uma máfia de multas. É um dinheiro que vai para o bolso de poucos aqui no Brasil. É uma indústria de multas. A partir da semana que vem, não teremos mais essa covardia de radares móveis no Brasil”, declarou o presidente, à época. Os radares fixos não estão na relação, porque sua utilização envolve contratos em vigor.

Deputados comemoram
Se depender da Assembleia Legislativa do Rio, a medida vai se estender às outras 112 estradas estaduais. Tanto o presidente da Comissão de Transportes e autor da lei 7580/17, deputado Dionísio Lins; quanto o presidente da Comissão de Turismo, Welberth Rezende, comemoram a decisão e trabalham nos bastidores para ampliá-la.
O desligamento dos radares foi definido em julho, após audiência com presença de representantes do DER. Os parlamentares enviaram ofício à Polícia Militar cobrando as informações sobre áreas de risco que embasaram a decisão. O desligamento em áreas turísticas também está sendo defendido.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários