'Suburbano da Depressão' faz roteiro de pontos imperdíveis na cidade

Vitor Almeida estreia como colunista do DIA na próxima terça-feira

Por Luana Dandara

Vitor Almeida é historiador e dono da página Suburbano da Depressão
Vitor Almeida é historiador e dono da página Suburbano da Depressão -

Historiador e mais conhecido na internet como "padrinho". Vitor Almeida, de 31 anos, é o dono da página Suburbano da Depressão, que ostenta mais de 450 mil seguidores no Facebook, Instagram e Twitter. O sucesso vem da maneira cômica e irônica de narrar a realidade do subúrbio carioca e da Baixada Fluminense. "As redes sociais proporcionam o debate do nosso ponto de vista. É o Rio de verdade, e não o das novelas", afirmou ele.

Pesquisador e mestrando da Uerj, Vitor é nascido e criado na Penha e também morou em Olaria e Santa Cruz. Hoje, curiosamente, reside em Icaraí, Niterói. "Me mudei há três meses por conta do emprego da minha esposa. A gente sai do subúrbio, mas o subúrbio não sai da gente". Na próxima terça-feira, Vitor inaugura uma coluna exclusiva no DIA, que vai falar, semanalmente, do dia a dia do Rio com bom humor.

Fã dos pagodeiros Sorriso Maroto e Pixote, o 'Suburbano' se define como um cara tímido. "Sou melhor com a escrita. Os seguidores se surpreendem quando me conhecem, porque não bebo e nem fumo, nada característico com a imagem do suburbano", disse.

A página foi criada em 2012 para brincar com a ideia de que o suburbano se deprecia e para criticar o fato de que o carioca não conhece o subúrbio, conta Vitor. "O sucesso foi um acidente de percurso. Comecei a compartilhar memes e, em um ano, 100 mil pessoas já seguiam".

Com seguidores famosos, como a cantora Iza, o historiador tem o sonho de conhecer Zeca Pagodinho e Adriano Imperador. O segundo estampa a foto de capa do Suburbano da Depressão. "Queria ver se o Adriano abençoa usar a figura dele. Mesmo milionário, ele sempre volta para a comunidade, anda descalço".

Sem horários definidos, ele faz os posts de forma 'orgânica', pelo o que encontra nas ruas e por mensagens dos seguidores, que também vêm de São Paulo e até Portugal. "Sempre transitei muito. Me encanta no subúrbio que os bairros são um refúgio de identidade".

Para o futuro, Vitor quer dar aulas sobre a história do subúrbio e pensa até em carreira política. A convite do DIA, ele preparou um roteiro "raiz" da cidade. "São locais pouco explorados. O carioca deprecia onde vive. Tem muita coisa boa pelo Rio", concluiu. Confira!

Museu Aeroespacial

Localizado no bairro de Sulacap, é um importante centro de cultura para aqueles que são apaixonados por aviação. O Museu Aeroespacial é de responsabilidade do Instituto Histórico-Cultural da Aeronáutica e promove exposições de aeronaves históricas, apresentações da Esquadrilha da Fumaça, visitações guiadas, entre outros. Em exposição permanente, encontram-se 80 aeronaves, inclusive uma réplica exata do 14 Bis.

"É uma dica pra quem gosta de aviação e quer conhecer de perto o trabalho da Força Aérea".

Museu Aeroespacial - Divulgação

Parque Madureira

Cortando quatro bairros do entorno de Madureira, o parque proporciona, de uma ponta a outra, lazer para seus visitantes. Quadras de vôlei, basquete e futebol, além de um campo de grama sintética para partidas de futebol, dividem o espaço com fontes, riachos, quiosques, pista de skate, pomar e brinquedos. Sua potencialidade resume o local onde foi construído. "Afinal, Madureira é a capital do subúrbio", disse Vitor Almeida.

"Um ponto de encontro da vizinhança e de quem quer conhecer mais a alma do subúrbio e do suburbano".

Parque Madureira - Luciano Belford

Espaço Suburbô

Pertinho da estação de Cascadura, o amplo quintal encravado na rua Sidônio Paes, 119, vem ganhando cada vez mais espaço na cultura suburbana ao promover diversos eventos: de encontro de escritores suburbanos a rodas de samba, o Espaço Suburbô é uma das alternativas de lazer mais suburbana, segundo Vitor. Recentemente, o local recebeu o primeiro Viradão Cultural Suburbano, um evento com 36 horas de programação cultural.

"É uma nova opção de espaço de cultura na Zona Norte com grande influência do Cacique de Ramos".

Espaço Suburbô - Divulgação

Bangu Shopping

Para quem curte história, o shopping preserva a fachada de estilo industrial inglês da antiga fábrica de tecidos, inaugurada em 1893. Não para por aí: vindo pelo calçadão do bairro, na entrada lateral está erguida a estátua de Thomas Donohoe, o seu Danau, escocês que teria trazido a primeira bola de futebol para o Brasil. E há relatos de que nos quintais da fábrica - hoje o estacionamento - foi jogada a primeira partida de futebol no país, em 1894.

"Para quem gosta de arquitetura histórica, Bangu ainda guarda características do seu passado".

Bangu Shopping - Divulgação

Píer da Pedra de Guaratiba

Mesmo distante, o local abriga um belo píer, onde se pode aproveitar um passeio depois de conhecer o polo gastronômico local e sua diversidade de restaurantes, com destaque para o Mercado do Peixe. "A Baía de Sepetiba guarda uma beleza depreciada. De Guaratiba a Sepetiba, uma linda orla contrasta com o descaso do poder público", afirmou Vitor.

"Um recanto de contato com a natureza na Zona Oeste e com boas opções gastronômicas".

Píer da Pedra de Guaratiba - Cléber Mendes

Basílica de Nossa Senhora da Penha

O famoso templo, que fica no alto de um morro na Penha, não só chama atenção por seus 365 degraus, como também pela representatividade histórica: a Festa da Penha, que completou seus 384 anos, figura como uma das maiores expressões populares brasileiras. "É o meu berço, meu lugar. O Complexo da Penha foi antes um quilombo", ressaltou Vitor.

"Além da importância histórica, propicia um visual da Zona Norte de outro ângulo", pontuou Vitor Almeida.

Basílica de Nossa Senhora da Penha - Cléber Mendes

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Galeria de Fotos

Vitor Almeida é historiador e dono da página Suburbano da Depressão Cléber Mendes
Localizado no bairro de Sulacap, é um importante centro de cultura para aqueles que são apaixonados por aviação. O Museu Aeroespacial é de responsabilidade do Instituto Histórico-Cultural da Aeronáutica e promove exposições de aeronaves históricas, apresentações da Esquadrilha da Fumaça, visitações guiadas, entre outros. Em exposição permanente, encontram-se 80 aeronaves, inclusive uma réplica exata do 14 Bis. Divulgação
Cortando quatro bairros do entorno de Madureira, o parque proporciona, de uma ponta a outra, lazer para seus visitantes. Quadras de vôlei, basquete e futebol, além de um campo de grama sintética para partidas de futebol, dividem o espaço com fontes, riachos, quiosques, pista de skate, pomar e brinquedos. Sua potencialidade resume o local onde foi construído. "Afinal, Madureira é a capital do subúrbio", disse Vitor Almeida. Luciano Belford
Pertinho da estação de Cascadura, o amplo quintal encravado na rua Sidônio Paes, 119, vem ganhando cada vez mais espaço na cultura suburbana ao promover diversos eventos: de encontro de escritores suburbanos a rodas de samba, o Espaço Suburbô é uma das alternativas de lazer mais suburbana, segundo Vitor. Recentemente, o local recebeu o primeiro Viradão Cultural Suburbano, um evento com 36 horas de programação cultural. Divulgação
Bangu Shopping Divulgação
Mesmo distante, o local abriga um belo píer, onde se pode aproveitar um passeio depois de conhecer o polo gastronômico local e sua diversidade de restaurantes, com destaque para o Mercado do Peixe. "A Baía de Sepetiba guarda uma beleza depreciada. De Guaratiba a Sepetiba, uma linda orla contrasta com o descaso do poder público", afirmou Vitor. Cléber Mendes
O famoso templo, que fica no alto de um morro na Penha, não só chama atenção por seus 365 degraus, como também pela representatividade histórica: a Festa da Penha, que completou seus 384 anos, figura como uma das maiores expressões populares brasileiras. "É o meu berço, meu lugar. O Complexo da Penha foi antes um quilombo", ressaltou Vitor. Cléber Mendes

Comentários