Delegacia de Homicídios vai levantar crimes similares em área onde moradora de rua foi morta

Informações como tipo de arma e tentativas de homicídios serão enviadas a peritos do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE). Especializada quer saber se assassino está envolvido em outros crimes

Por MARIA INEZ MAGALHÃES

Moradora de rua Zilda Henrique dos Santos Leandro, de 31 anos, conhecida como Néia, pede esmola a homem (identificado como Aderbal Ramos de Castro) numa rua de Niterói, e é baleada e morta.
- Homem mata moradora de rua a tiros no Centro de Niterói
Moradora de rua Zilda Henrique dos Santos Leandro, de 31 anos, conhecida como Néia, pede esmola a homem (identificado como Aderbal Ramos de Castro) numa rua de Niterói, e é baleada e morta. - Homem mata moradora de rua a tiros no Centro de Niterói -
Rio - A Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI) vai levantar crimes similares ao cometido por Aderbal Ramos de Castro ocorridos na mesma área do homicídio praticado por ele e com o mesmo tipo de arma e calibre - um revólver calibre 38 - com a qual ele matou a moradora de rua Zilda Henrique dos Santos Leandro, de 31 anos. Conhecida como Néia, ela fo morta no Centro de Niterói, Região Metropolitana do Rio.
Confira sequência de imagens que flagrou o crime!

Galeria de Fotos

Moradora de rua Zilda Henrique dos Santos Leandro, de 31 anos, conhecida como Néia, pede esmola a homem (identificado como Aderbal Ramos de Castro) numa rua de Niterói, e é baleada e morta. - Moradora de rua aborda homem e pede dinheiro Reprodução
Moradora de rua Zilda Henrique dos Santos Leandro, de 31 anos, conhecida como Néia, pede esmola a homem (identificado como Aderbal Ramos de Castro) numa rua de Niterói, e é baleada e morta. - Homem se prepara para sacar a arma Reprodução
Moradora de rua Zilda Henrique dos Santos Leandro, de 31 anos, conhecida como Néia, pede esmola a homem (identificado como Aderbal Ramos de Castro) numa rua de Niterói, e é baleada e morta. Reproduções de vídeo
Moradora de rua Zilda Henrique dos Santos Leandro, de 31 anos, conhecida como Néia, pede esmola a homem (identificado como Aderbal Ramos de Castro) numa rua de Niterói, e é baleada e morta. Reprodução
Moradora de rua Zilda Henrique dos Santos Leandro, de 31 anos, conhecida como Néia, pede esmola a homem (identificado como Aderbal Ramos de Castro) numa rua de Niterói, e é baleada e morta. Reprodução
A moradora de rua Zilda dos Santos Leandro, conhecida como Néia, pede esmola a homem, que dispara, pelo menos, duas vezes e sai com a arma na mão. Em seguida, testemunha tenta socorrer vítima Reprodução
Moradora de rua Zilda Henrique dos Santos Leandro, de 31 anos, conhecida como Néia, pede esmola a homem (identificado como Aderbal Ramos de Castro) numa rua de Niterói, e é baleada e morta. - Testemunha tenta parar um carro para pedir ajuda Reprodução
Moradora de rua Zilda Henrique dos Santos Leandro, de 31 anos, conhecida como Néia, pede esmola a homem (identificado como Aderbal Ramos de Castro) numa rua de Niterói, e é baleada e morta. - Homem sai andando tranquilamente após matar a mulher Reprodução
Moradora de rua Zilda Henrique dos Santos Leandro, de 31 anos, conhecida como Néia, pede esmola a homem (identificado como Aderbal Ramos de Castro) numa rua de Niterói, e é baleada e morta. - Homem mata moradora de rua a tiros no Centro de Niterói Reprodução DE VÍDEO
As informações serão enviadas ao Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) para que peritos façam comparação da arma usada por ele com materiais de outros crimes que foram apreendidos e estão armazenados no instituto. A especializada quer saber se Aderbal está envolvido em outros homicídios ou tentativas de assassinato.
"É possível comparar o padrão da arma dele com projéteis encontrados em corpos de vítimas ou em locais de crimes similares na mesma região. Os homicídios estão com a gente, mas podem ter registros de tentativas de homicídios em outras delegacias", explicou a delegada-titular da DHNSGI, Barbara Lomba.
Zilda foi assassinada na semana semana passada e Aderbal foi preso após ser identificado em imagens do Centro Integrado de Segurança Pública da Prefeitura de Niterói, que flagraram o homicídio. Segundo as investigações da DHNSGI, ele atirou na mulher após ela pedir R$ 1 a ele. Aderbal tinha a posse do revólver, mas não o porte, ou seja, ele não poderia sair com ela. 

 

Comentários