Cemitério no Caju faz Black Friday de sepulturas com estilo

O mercado da morte, quem diria, entrou na onda da queima de preços

Por Anderson Justino

Crematório e Cemitério da Penitência, no Caju, oferece descontos em seus serviços, aproveitando a Black Friday
Crematório e Cemitério da Penitência, no Caju, oferece descontos em seus serviços, aproveitando a Black Friday -

Rio - A criatividade nas promoções da Black Friday, este ano, ultrapassou as barreiras desta vida. O mercado da morte, quem diria, entrou na onda da queima de preços. O Crematório e Cemitério da Penitência, no Caju, está com descontos de 50% na compra de sepulturas familiares.

Rogério Oliveira, coordenador comercial do cemitério, explica que a promoção, que começou no Dia de Finados e vai até sábado, é uma iniciativa para que as pessoas se preparem.

"Muitos ficam assustados quando o assunto é a compra de sepultura. Nossa intenção não é essa, é preparar as pessoas para o futuro. É importante deixar claro que um jazigo é para uso da família do proprietário. Por exemplo, o jazigo familiar premium oferece espaço para dois caixões. Se antecipar para aquilo que pode acontecer no futuro não é atrair a morte, é ter precaução", diz.

Sem sustos, os cariocas quiseram mesmo aproveitar a oportunidade. Segundo Rogério, a procura pela sepultura teve um aumento de 100% após o anúncio da promoção. O modelo oferecido, que em outras épocas do ano custa R$ 76 mil, está saindo a R$ 38 mil.

"Os jazigos oferecidos na Black Friday são revestidos por granito cinza. A pessoa que comprar poderá deixá-lo como quiser", explica o coordenador comercial.

Comemorando os 30 anos do 'Casseta e Planeta' com apresentações pelo Brasil afora, o humorista Hélio de la Peña não perde a piada:

"Isso é promoção que se apresente? O que eles estão esperando, multidão e pancadaria, tipo aniversário do supermercado Guanabara? Tô fora! Sei não, isso tá mais para Dead Friday"...

Jazigo ou máquina de lavar?

A promoção feita pelo Cemitério da Penitência fez as pessoas refletirem sobre o assunto. Uns, como a dona de casa Maria Aparecida, preferem investir em bens que possam ser desfrutados hoje, como uma máquina de lavar.
 
Outros, não temem pensar no futuro. É o caso do engenheiro André Gil, que quis aproveitar o desconto. Ele explicou que não há preconceito algum em comprar uma sepultura familiar. "Eu já pensava em comprar uma antes da promoção. Normalmente, não se está prevenido para perder algum familiar, é um momento muito difícil. Mas imagine passar por isso sem um planejamento", comenta.

 

Comentários