Prática da reciclagem doméstica facilita coleta seletiva e reaproveitamento

Grande gesto sustentável pode se transformar em uma simples atitude do cotidiano

Por Julia Noia*

A coleta seletiva, feita pela Comlurb, já é uma realidade em mais de 100 bairros do Rio, o que torna a separação do lixo caseiro tão importante
A coleta seletiva, feita pela Comlurb, já é uma realidade em mais de 100 bairros do Rio, o que torna a separação do lixo caseiro tão importante -
Rio - Um grande gesto sustentável pode se transformar em uma simples atitude do cotidiano. A reciclagem é uma grande aliada para quem deseja ajudar o meio ambiente sem sair de casa, e a separação dos resíduos é mais fácil do que se imagina. 
O ambientalista Rogério Rocco explica que, no geral, os dejetos são divididos em dois grupos, seco e molhado. Apenas o primeiro grupo, resíduos secos como plástico, papel, vidro e tecidos, consegue, na maioria dos casos, ser reutilizados, reciclados e reaproveitados. Mas os dejetos molhados também pode ser reaproveitado por quem deseja um solo fértil em seu jardim, e utiliza o lixo orgânico como adubo.
Ele atenta, ainda, para as dificuldades da reciclagem em uma cidade grande como o Rio de Janeiro. "A questão é que cada material reciclável pode ter um tipo de destinação e é difícil para o cidadão fazer a destinação individualizada para qualquer tipo de conteúdo", explica o especialista. Sua recomendação é que moradores de prédios ou condomínios organizem a coleta seletiva da sua localidade.
Antes de separar os resíduos para a coleta seletiva, um cuidado muito importante: não esquecer de limpar os recipientes. Rocco incentiva a limpeza do que vai ser levado para reciclagem para evitar bichos e evitar a lavagem depois de coletado, atividade que gasta um nível muito maior de água.

Acompanhe a coleta seletiva

Depois de casa, a coleta seletiva continua até a destinação dos resíduos com a ajuda da Comlurb. Atualmente, o serviço de Coleta Seletiva permite que moradores de 122 bairros da cidade do Rio tenham seus dejetos reciclados endereçados a um dos 25 pontos núcleos de cooperativas de catadores. Por mês, a Comlurb recolhe 1.700 tonelada de conteúdo potencialmente reciclável em cerca de nove mil logradouros.
Uma vez por semana, em dias alternados com os da coleta domiciliar, o material reciclável é recolhido por agentes da coleta seletiva. Os resíduos devem ser colocados em sacos transparentes para serem distinguidos dos conhecidos sacos pretos de lixo comum, sem separação por material. No geral, o serviço é responsável pela reciclagem de papel, metal, plástico e vidro devidamente limpos e secos
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários