Cigarros de fábricas instaladas no Brasil são encontrados a preços menores que o exigido por lei

Em 2019, mais da metade dos cigarros consumidos no País podem ser enquadrados nestas duas situações: 49% são contrabandeados e 8% são fabricados no país burlando alguma norma legal

Por

Quando você compra um cigarro a menos de R$ 5, preço mínimo exigido por lei no Brasil, ou está gastando dinheiro com produto contrabandeado do Paraguai ou está levando pra casa um item fabricado no Brasil por empresas que podem ter cometido irregularidades como inadimplência fiscal e sonegação de tributos.

Em 2019, mais da metade dos cigarros consumidos no País podem ser enquadrados nestas duas situações: 49% são contrabandeados e 8% são fabricados no país burlando alguma norma legal. No estado do Rio, a participação das fábricas nacionais cujos produtos são comercializados abaixo do preço mínimo é de 12%, bem mais que a média brasileira.

Em todo o território nacional existem 11 fábricas legalizadas, com registros na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e na Receita Federal do Brasil (RFB). Nos últimos cinco anos a participação de mercado das fábricas nacionais cujos cigarros são vendidos por menos de R$ 5 subiu de 3% para 8%.

Nos arquivos da RFB aos quais O DIA teve acesso, os preços dos cigarros dessas fábricas são de, no mínimo, R$ 5, o maço. Entretanto, o produto chega ao consumidor por valores mais baixos, o que fere a legislação.

Coincidência (ou não), as quatro fábricas em operação no estado do Rio estão situadas em Duque de Caxias. Outras seis, que foram fechadas, também funcionavam neste município. Entre as ativas, as mais conhecidas, Quality In e Sulamericana, fabricam o Gift e o Clube One, respectivamente. Juntas, elas dominam 11% do mercado.

Por meio de seu departamento Jurídico, a Quality In esclarece: "A empresa comercializa seus produtos de forma que os mesmos tenham como preço final o valor de R$ 5 (mínimo estabelecido pela Receita Federal), o mesmo preço que as mesmas empresas centenárias, que ao longo de décadas investiram maciçamente em divulgação, comercializam tais produtos".

A empresa Sulamericana não quis dar declarações sobre o assunto.

A RFB informa que tem atuado ostensivamente na fiscalização. "Por meio desse trabalho, que envolve ações de inteligência e gerenciamento de riscos, em 2018 e 2019 quatro fábricas tiveram seus registros especiais de fabricante cancelados por diversos motivos, entre eles: interposição fraudulenta de pessoas, simulação, sonegação fiscal e falsidade ideológica", diz a nota.

A Secretaria de Estado de Fazenda do Rio (Sefaz-RJ) realizou, no início de novembro, a Operação Pulmão Limpo. Auditores Fiscais da Receita Estadual foram a três endereços, todos em Duque de Caxias, e abordaram um caminhão que transportava insumos para a fabricação de cigarros sem nota fiscal. "Das 318 empresas do setor no Estado, 74 estão com a Inscrição Estadual impedida por causa de irregularidades tributárias", afirma Rodrigo Aguieiras, Superintendente de Fiscalização da Sefaz-RJ.

 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários