Projeto 'A Palavra Líquida' promove encontro de poetas no Sesc RJ

Evento contou com batalha de poesia, dança, filmes, exposições, shows e oficinas

Por O Dia

O estudante Da Costa, de 17 anos, venceu a batalha de poesia do Sesc RJ abordando racismo e opressão da população negra
O estudante Da Costa, de 17 anos, venceu a batalha de poesia do Sesc RJ abordando racismo e opressão da população negra -

Rio - 'A poesia me salva diariamente'. Esse amor pela arte foi um dos ingredientes que garantiu ao jovem Da Costa, de 17 anos, a conquista do primeiro lugar na batalha de poesia, um dos momentos mais emocionantes da quinta edição do projeto "A Palavra Líquida", do Sesc RJ, realizado durante todo o mês de novembro nas unidades de Barra Mansa, Nova Iguaçu, São Gonçalo, São João de Meriti, Tijuca e Madureira.

Intitulada "Maafa" (ver trecho no box), a poesia de Da Costa, que competiu com outros cinco slammers - quem participa de poetry slam (batalhas de versos) - é uma crítica à opressão da população negra. "A poesia é uma forma de colocar pra fora coisas que agonizam", conta o jovem estudante do Ensino Médio, nascido e criado em Honório Gurgel, no subúrbio do Rio.

"Minha relação com a escola nunca foi muito boa por conta desse método tradicional que coloca a branquitude como protagonista. A gente não aprende o que é nosso de verdade. Eu não sabia como colocar isso pra fora, então resolvi escrever. Os professores ficavam indignados porque eu passava as aulas escrevendo poesia", conta o rapaz, que participa de batalhas há um ano, já tendo conquistado o primeiro lugar outras vezes.

"Gratificante poder ter feito parte disso e competir com poetas que são referências pra mim". Sobre o futuro, Da Costa é assertivo: "Pretendo estudar Direito porque acho que o povo preto é pouco representado nos espaços jurídicos. A gente precisa ter um braço forte dentro do sistema em prol da periferia e da população negra", diz.

Tudo isso, claro, junto com a poesia. Em 2020, o jovem, que tem como nome de batismo Guilherme da Costa Dantas, colherá os frutos da vitória no evento: vai rodar unidades do Sesc RJ participando de festivais de literatura.

Modalidade surgiu nos anos 80

As batalhas de poesia falada têm na sua base várias regras que envolvem a performance e poesia original dos seus participantes, um tempo limitado a três minutos para as apresentações, um público como júri que dá notas de 0 a 10, a ausência de música e acessórios e a atribuição de prêmios simbólicos no final.
 
Não existem estilos ou temas adequados, há várias linguagens possíveis, que variam com a diversidade dos participantes que fazem parte deste movimento. Celebradas em mais de 500 comunidades do mundo, essa cena cultura, surgida na década de 1980 nos Estados Unidos, vêm se espalhando pelo Brasil desde 2008.
 
As poesias têm que ser de autoria própria, sem adereços ou acompanhamento musical. O texto pode ser escrito previamente, mas também pode haver improvisação. Não há regras sobre o formato da poesia.
 
"Maafa" foi a poesia vencedora
 
Essa nação te nega
 
A academia te cega
 
A Europa te deve
 
E tua família?
 
Foi destruída em busca de capital
 
Pensa nos parentes que enlouqueceram
 
Se perderam nas drogas
 
Ou caminham na beira do precipício
 
Em busca de uma vida ocidental
 
Acompanha
 
Se pra uma família preta
 
Sobra afeto
 
Falta grana
 
Se sobra grana
 
Falta afeto
 
E preto sem afeto é projeto!
 
Há mais de 500 anos
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários