Carnaval: Tarcísio Motta pede ao MP que abra inquérito para apurar a conduta da prefeitura em regulamentação

Ele afirma que existem diversos problemas no processo de organização do Carnaval, que adota um formato de parceria público-privada

Por O Dia

Vereadores aprovam na Câmara de Vereadores do Rio, em segunda votação, projeto de Lei Complementar que antecipa o fim da concessão da Linha Amarela. Na foto, o Vereador, Tarcísio Motta.
Vereadores aprovam na Câmara de Vereadores do Rio, em segunda votação, projeto de Lei Complementar que antecipa o fim da concessão da Linha Amarela. Na foto, o Vereador, Tarcísio Motta. -
Rio - O vereador Tarcísio Motta (PSOL-RJ) pediu ao Ministério Pública, nesta quinta-feira, a abertura de um inquérito para apurar as práticas de monopólio e violação aos princípios da livre concorrência e livre iniciativa, além de abuso de poder regulatório por parte da Prefeitura do Rio no Carnaval.

Estas práticas, segundo o vereador, vão contra os direitos dos trabalhadores ambulantes e também de centenas de organizadores de blocos de rua, atingindo toda a população que participa da maior festa do calendário da cidade. "A prefeitura tem o dever de garantir o direito ao Carnaval. Se a prefeitura decide licitar os organizadores desta festa tão importante para a cidade, ela não pode fazer isso violando os direitos dos trabalhadores que fazem o carnaval acontecer, dos artistas, dos foliões", afirma Motta.

Ele afirma que existem diversos problemas no processo de organização do Carnaval, que adota um formato de parceria público-privada. Desde 2009, conforme o parlamentar, o governo optou a mesma empresa como produtora do evento, a Dream Factory, que apresenta projeto em conjunto com a Ambev, ou uma das empresas do grupo, que figura como financiadora. Neste período, apenas no ano de 2010 o processo público de seleção contou com outros concorrentes.

Tarcísio explica também que, como vencedoras da seleção, as empresas produtora e financiadora do evento devem oferecer uma série de itens que estão previsto no chamado Caderno de Encargos como ambulâncias/UTIs móveis, equipes médicas, maqueiros, sinalização, agente de trânsito. Em contrapartida aos encargos assumidos, a prefeitura oferece a exposição da marca da financiadora nas sinalizações, equipamentos de infraestrutura previstos no caderno de encargos e totens que podem ser instalados nos locais de desfiles com distribuição de brindes pelas empresas financiadoras.

Para Tarcísio, a fórmula adotada pela Prefeitura não funciona. Na prática, a infraestrutura que passa a ser de responsabilidade da empresa vencedora não é suficiente para atender às demandas do carnaval de rua do Rio, segundo ele. Com isso, diversos serviços que deveriam ser oferecidos pela empresa passam a ser exigidos dos organizadores dos blocos, que acabam imersos em demandas burocráticas de autorização e veem os custos de seus desfiles saltar às alturas. "A maioria dos blocos da nossa cidade são organizadas por grupos de músicos e foliões sem qualquer intenção de lucro. O abuso do poder regulatório faz com que a Prefeitura garanta um verdadeiro monopólio à Ambev, com poucas ou nenhuma contrapartida para quem efetivamente constrói o Carnaval do Rio", diz o parlamentar.

Aponta que os comerciantes ambulantes devem arcar com todos os custos para a venda das bebidas como o transporte, resfriamento das bebidas e a compra dos produtos que devem ser vendidos, sem ter o direito de escolher um produto de menor custo da concorrência. Tudo isso ocorre mesmo não havendo qualquer disposição que mencione a exclusividade da venda de produtos no caderno de encargos que compõe a seleção das empresas organizadoras do Carnaval.

A representação entregue ao Ministério Público pede que o órgão haja no sentido de apurar e coibir as práticas de abuso do poder regulatório praticadas pela Prefeitura do Rio. "Seja no caso dos ambulantes ou no do patrocínio dos blocos, fica evidente o abuso do poder regulatório da Prefeitura, que tem atuado com o flagrante objetivo de criar reserva de mercado que favorece exclusivamente ao grupo econômico da empresa Ambev", afirma Tarcísio.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários