Vídeo: PMs levam flores para jovem de 17 anos vítima de bala perdida na Linha Vermelha

Adolescente teve uma grata surpresa ao receber a visita da equipe do Rondas Especiais e Controle de Multidões que a socorreu no Hospital Federal de Bonsucesso

Por RAI AQUINO

Adolescente está internada no Hospital Federal de Bonsucesso
Adolescente está internada no Hospital Federal de Bonsucesso -
Rio - A jovem de 17 anos vítima de bala perdida na Linha Vermelha no último domingo teve uma surpresa na tarde desta quinta-feira. Internada desde então no Hospital Federal de Bonsucesso (HFB), na Zona Norte do Rio, a adolescente e a família receberam mimos dos PMs do batalhão de Rondas Especiais e Controle de Multidões (Recom), que fizeram o socorro da menor há cinco dias.
Sob o comando do subtenente J. Reis, da equipe GRE Alfa 9, cinco militares estiveram na enfermaria da clínica cirúrgica do hospital, para onde a jovem foi levada desde que saiu do CTI da unidade, na quarta. Ela estava com a mãe, o pai e um outro parente.
"A ideia de visitá-la foi do próprio comandante da equipe (J. Reis). O batalhão a presenteou com uma hortênsia, deu uma orquídea para a mãe dela e uma flâmula do Recom para o pai. O momento foi bem gratificante e emocionante", contou o cabo Robson Penha, de 37 anos, que esteve tanto na ocorrência de domingo, quanto na visita de ontem; confira o momento!
BALEADA DENTRO DO CARRO
A adolescente foi baleada quando estava com a família de carro, um Chevrolet Spin, na altura da Favela do Lixão, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Ela estava no banco traseiro do veículo quando projétil de fuzil calibre 556 a atingiu. Ela é namorada do filho do subsecretário estadual Saúde, Bruno Marini.
O automóvel era dirigido pela esposa do subsecretário, Cyntia Marini. Outros dois filhos do casal também estavam no carro, mas apenas a jovem foi atingida.
"Na visita de ontem, todos ficaram bastante emocionados, inclusive a médica responsável pelo tratamento dela, que estava presente. Ela, inclusive, deixou bem claro que se a jovem demorasse cinco minutos a mais para chegar no hospital, ela teria parada respiratória e poderia não resistir", o cabo afirmou.
O policial disse que eles levaram cerca de oito minutos em um trajeto que duraria pelo menos 15 para socorrer a adolescente no HFB. Naquele dia, os agentes do Recom estavam fazendo um patrulhamento de rotina na via, quando viram alguém que estava no veículo pedindo socorro.
Além dele, e do subtenente J Reis, o sargento Silva Rodrigues e os cabos Simões, Teixeira e Arruda prestaram socorro à jovem.
"A adolescente, dentro das limitações dela, deixou bem claro que estava consciente do fato e que estava entendendo tudo o que estava acontecendo. Ela disse que queria poder agradecer a equipe que prestou o socorro", o cabo acrescentou, sobre a visita de ontem.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários