Coronavírus deixa comunidade chinesa na Saara em alerta

Comerciantes da região zeraram estoques de máscaras cirúrgicas nas farmácias. Eles estão enviando os equipamentos para parentes na China

Por Bernardo Costa

A comerciante Zhang mostra imagens da sua cidade natal na China: as ruas lá estão vazias
A comerciante Zhang mostra imagens da sua cidade natal na China: as ruas lá estão vazias -

O alerta global de contaminação por coronavírus provocou escassez de máscaras e álcool gel nas farmácias da Sarra, no Centro Rio de Janeiro. A maior procura é de comerciantes chineses, donos de lojas na região, e que estão comprando caixas do equipamento para mandar para parentes na China, onde 9,9 mil pessoas tiveram a doença confirmada e 258 morreram.

Zhang, de 39 anos, foi uma das comerciantes que enviaram máscaras para parentes na China. "Lá elas estão em falta, mas todos são obrigados a usá-la", contou, mostrando, no celular, imagens de sua cidade natal, Yichang, onde as ruas estão completamente desertas. A cidade fica a cerca de 320km de Wuhan, o epicentro do surto de coronavírus na China.

"Não tem ninguém nas ruas. Ônibus e trens não circulam mais. Quem pegou o vírus tem que ficar trancado em casa. A polícia vai na porta, deixa a comida e vai embora", conta Zhang, que tem uma loja de eletrônicos na Rua Buenos Aires. 

Gerente de um restaurante chinês da Saara, Bo Wei, de 30 anos, contou que 100 pessoas tiveram a doença confirmada em sua cidade, Anhui, onde vive o irmão dele. "Ele conta que em todo lugar há termômetros para medir a temperatura das pessoas. E que o governo enviou mensagens de celular com orientação para que ficassem em casa. Não pode haver reuniões", contou.

Para Yin Victor, de 41 anos, o governo chinês vai conseguir controlar o surto da doença. "Eles controlam tudo, vão controlar o vírus também. Todas as cidades estão fechadas, ninguém pode sair nem entrar", disse Yin, dono de uma loja de eletrônicos.

 

Venda de máscaras supera a de água mineral

Gerente de drogaria na Saara, Sebastião adotou uma política: uma caixa de máscaras por chinês - Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia

Nas farmácias da Saara, o estoque de máscaras cirúrgicas está zerado. Gerente da Drogaria Venâncio na Rua Buenos Aires, Sebastião Silva conta que a corrida dos chineses em busca do da proteção teve início na última segunda-feira. "Foi uma coisa de louco. Rapidamente as prateleiras ficaram vazias. Os chineses estão desesperados, pois parece que as máscaras estão em falta na China. Álcool gel também levaram", contou.

Ontem mesmo, uma nova remessa de dez caixas, com 50 máscaras cada, abasteceu o estoque da loja pela manhã. No começo da tarde, não havia mais nenhuma. "Os brasileiros também estão comprando. Estão com receio de risco de contaminação por aqui no Carnaval, quando virão muitos estrangeiros para a cidade. Eu mesmo vou garantir a minha máscara quando chegar a próxima remessa", disse Sebastião, que decidiu estabelecer uma política de venda. "Só vendo uma caixa por chinês agora", acrescentou.

Na Drogaria Pacheco, o gerente Jeferson Luiz conta que a máscara está vendendo mais que água. "Isso é ouro aqui. Estamos com os estoques zerados. Uma cliente nossa, chinesa, pediu para que, assim que chegar o material, eu separar para ela", disse.

Até mesmo em uma loja de tintas da região os chineses compraram máscaras. "Atendi um que disse que estava comprando para usar aqui mesmo", revelou a vendedora Daniele Ecard.

Parentes na China não conseguem voltar ao Brasil

O gerente de restaurante Bo Wei lamenta que o surto da doença esteja avançando em seu país, principalmente na época do festival da primavera, o Ano Novo chinês.

"Ninguém pode se reunir para celebrar. Todos tiveram que ficar em suas casas por orientação do governo", contou o chinês, que mora há sete anos no Rio de Janeiro.

Ele conta não temer que o irmão, que vive no país asiático, pegue a doença, pois tanto o governo quanto a população estão tomando as precauções necessárias. "Em uma semana construímos um hospital na China. Eu creio que o governo vá controlar o coronavírus em breve".

Em outra loja da região, uma comerciante chinesa, que pediu para não ser identificada, contou que a mãe e outros parentes foram para a China no fim do ano passado, e tem receio de que eles não consigam retornar ao Brasil.

"Ela conseguiu trocar a passagem aérea, antecipando o retorno, mas não sabemos se conseguirá embarcar, pois muito voos estão sendo cancelados na China.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Galeria de Fotos

Rio de Janeiro - RJ - 31/01/2020 - Chineses e comerciantes do SAARA falam sobre o coronavirus - Foto Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
Rio de Janeiro - RJ - 31/01/2020 - Chineses e comerciantes do SAARA falam sobre o coronavirus - Foto Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
Rio de Janeiro - RJ - 31/01/2020 - Chineses e comerciantes do SAARA falam sobre o coronavirus - Foto Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
Gerente de drogaria na Saara, Sebastião adotou uma política: uma caixa de máscaras por chinês Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
Rio de Janeiro - RJ - 31/01/2020 - Chineses e comerciantes do SAARA falam sobre o coronavirus - Foto Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
Rio de Janeiro - RJ - 31/01/2020 - Chineses e comerciantes do SAARA falam sobre o coronavirus - na foto, o baixo estoque de alcool gel nas farmacias - Foto Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
Rio de Janeiro - RJ - 31/01/2020 - Chineses e comerciantes do SAARA falam sobre o coronavirus - na foto, o baixo estoque de alcool gel nas farmacias - Foto Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
Rio de Janeiro - RJ - 31/01/2020 - Chineses e comerciantes do SAARA falam sobre o coronavirus - Foto Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
Rio de Janeiro - RJ - 31/01/2020 - Chineses e comerciantes do SAARA falam sobre o coronavirus - na foto, o baixo estoque de alcool gel nas farmacias - Foto Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
Rio de Janeiro - RJ - 31/01/2020 - Chineses e comerciantes do SAARA falam sobre o coronavirus - na foto, o baixo estoque de alcool gel nas farmacias - Foto Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
Rio de Janeiro - RJ - 31/01/2020 - Chineses e comerciantes do SAARA falam sobre o coronavirus - Foto Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
Rio de Janeiro - RJ - 31/01/2020 - Chineses e comerciantes do SAARA falam sobre o coronavirus - Foto Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
Bo Wei lamenta que o surto do vírus tenha afetado o Ano Novo chinês Reginaldo Pimenta
Rio de Janeiro - RJ - 31/01/2020 - Chineses e comerciantes do SAARA falam sobre o coronavirus - Foto Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
A comerciante Zhang mostra imagens da sua cidade natal na China: as ruas lá estão vazias Reginaldo Pimenta
Rio de Janeiro - RJ - 31/01/2020 - Chineses e comerciantes do SAARA falam sobre o coronavirus - Foto Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
Rio de Janeiro - RJ - 31/01/2020 - Chineses e comerciantes do SAARA falam sobre o coronavirus - Foto Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
Rio de Janeiro - RJ - 31/01/2020 - Chineses e comerciantes do SAARA falam sobre o coronavirus - Foto Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia
Rio de Janeiro - RJ - 31/01/2020 - Chineses e comerciantes do SAARA falam sobre o coronavirus - Foto Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia Reginaldo Pimenta / Agencia O Dia

Comentários