Rio em alerta

Caso não atinja meta de três milhões de pessoas imunizadas até 13 de março, estado pode ter dez mil infectados por sarampo. Ontem foi confirmada a primeira morte

Por Anderson Justino

A primeira morte por sarampo confirmada no Estado do Rio, depois de vinte anos sem registros de óbitos, acendeu o sinal de alerta. Ontem, o secretário estadual de Saúde, Edmar Santos, informou que o número de infectados pode chegar a dez mil até dezembro deste ano caso a meta de imunização não seja atingida — a campanha de vacinação termina dia 13 de março. Entre 2018 e 2019 foi registrado aumento de 1.565% nos casos da doença no território fluminense, saltando de 20 para 333. Hoje acontece em todo Brasil o Dia D Nacional de Vacinação contra o Sarampo.

"O sarampo está matando e pode acontecer uma tragédia no estado. As pessoas estão preocupadas com o coronavírus e deixando de se atentar pelo que é real. O sarampo está no Rio e é real. Todo esforço está sendo feito pelo governo, mas precisamos que o cidadão se conscientize e vá se vacinar", alerta Santos.

O secretário confirmou ontem a morte por sarampo do bebê David Gabriel dos Santos, de oito meses, que faleceu em 6 de janeiro, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Ele estava internado desde o dia 22 de dezembro no Hospital Geral de Nova Iguaçu com o quadro de pneumonia.

Segundo a Secretaria de Estado de Saúde, o bebê vivia na Fundação Assistencial Santa Bárbara, na Vila de Cava. Outros três casos foram registrados no local. Duas crianças e uma cuidadora contraíram a doença, mas já estão curadas. "Quem está em dúvida se tomou ou não a vacina, vá se vacinar. O melhor caminho é a prevenção", esclareceu Santos.

Em 2018, o número de infectados no estado era de 20 pessoas. No ano passado, foram 333 casos. Até o último dia 9 de fevereiro, 189 ocorrências foram confirmadas. A Baixada Fluminense lidera o ranking. Em 2019, o Ministério da Saúde registrou 18.203 casos de sarampo em todo o país. Foram 15 mortes confirmadas: 14 em São Paulo e uma em Pernambuco.

Dia D em todo território nacional

Os governos federal e estadual estão com campanhas de vacinação contra o sarampo desde o início do ano. O público-alvo é quem tem de seis meses a 59 anos de idade. Hoje, o Ministério de Saúde realiza o Dia D Nacional de Combate ao Sarampo. Para ser imunizado é preciso levar a caderneta de vacinação. Mas quem não tem ou perdeu o documento também deve comparecer aos postos.  

A Prefeitura do Rio garantiu que mais de 350 postos da Secretaria Municipal de Saúde estarão abertos e vão participar do Dia D. Para saber os locais de atendimento, basta acessar o site da secretaria — subpav.org/ondeseratendido/. O horário de atendimento é de 8h até as 16h. 

No Estado do Rio, até o momento, apenas 10% do público-alvo foi devidamente vacinado. Não por acaso, a Secretaria de Estado de Saúde informou que faz ações específicas em diversas regiões fluminenses, como Nova Iguaçu, Duque de Caxias, São Gonçalo, Saquarema e Rio de Janeiro.

A meta a ser atingida em todo o Estado do Rio até o dia 13 de março é que três milhões de doses da vacina sejam aplicadas. 

Doença atinge mais o público infantil

O médico infectologista Alberto Chebabo explica que, na maioria das vezes, o sarampo atinge o público infantil. Segundo ele, é necessário pelo menos duas doses da vacina, a partir de um ano de idade, para considerar que a pessoa esteja imunizada.

"Muitos adolescentes só realizaram uma dose, uma vez que o esquema foi modificado em 2003 e 2004, com mudança nas idades recomendadas para vacinação em crianças", revela Chebabo.

Conforme o infectologista, crianças com menos de seis meses não podem ser vacinadas e, caso tenham contato com pessoas não imunizadas, podem contrair a doença. "Nessa faixa etária, a doença é grave e pode levar ao óbito. A vacina é a maneira mais eficaz de prevenir", adverte.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários