Barcas

Barcas

Por O Dia

Rio - O deputado Dionísio Lins (PP-RJ), presidente da Comissão de Transportes da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), decidiu entrar com uma ação no Ministério Público contra a CCR Barcas, e acusa a concessionária de ter firmado um acordo diferente do que foi discutido na audiência pública, realizada na última quarta-feira. Os detalhes do Termo de Ajuste de Conduta (TAC) foram discutidos ontem, em reunião marcada pelo secretário de Transportes, Delmo Pinho, com a concessionária.
Depois de quase dois meses de discussões, a CCR Barcas concordou com o pagamento de R$ 7 milhões para a manutenção da antiga grade de horários para Paquetá em 2020. Do total, R$ 5 milhões foram doados pela Alerj a pedido do presidente da Casa, André Ceciliano (PT-RJ) na audiência pública da semana passada, e R$ 2 milhões serão concedidos pelo governo do estado. A concessionária afirma que vai apresentar o projeto para a Defensoria Pública amanhã, e a grade antiga deve voltar a vigorar ainda nesta semana.
Segundo o presidente da Comissão de Transportes, a concessionária tinha acordado em utilizar a verba concedida pela Alerj para a grade de Paquetá e o valor doado pelo governo do estado para ajustar deficiências na linha de Cocotá, na Ilha do Governador que, segundo Dionísio, foi apontada na reunião de sexta-feira, dia 14, pelo secretário de Transportes, Delmo Pinho.  
Além do deputado Dionísio Lins, estiveram na discussão representantes da Casa Civil, Secretaria de Transportes, Defensoria P.
 
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários