Justiça mantém preso sargento da Marinha que ejaculou em mulher dentro de ônibus

O juiz Rafael Cavalcanti Cruz converteu o flagrante em prisão preventiva do terceiro sargento José Carlos Vidal Ferreira, de 35 anos, preso nesta quarta-feira pelo crime de importunação sexual dentro de um ônibus em São Gonçalo

Por ADRIANO ARAÚJO

Sargento da Marinha foi preso ao ejacular em braço de mulher dentro de ônibus na BR-101, em São Gonçalo
Sargento da Marinha foi preso ao ejacular em braço de mulher dentro de ônibus na BR-101, em São Gonçalo -
Rio - A Justiça do Rio manteve preso o sargento da Marinha preso após ejacular em uma mulher dentro de um ônibus em São Gonçalo, Região Metropolitana do Rio, nesta quarta-feira. A decisão, da tarde de hoje, ocorreu durante audiência de custódia na Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica. O juiz Rafael Cavalcanti Cruz converteu o flagrante em prisão preventiva a detenção do terceiro sargento José Carlos Vidal Ferreira, de 35 anos, pelo crime de importunação sexual. 
Na decisão, o magistrado, da 5ª Vara Criminal, justificou que a manutenção da prisão "se mostra necessária e proporcional" diante do crime do qual ele é acusado e que fragiliza a ordem pública. 
"A ordem pública se encontra fragilizada, de modo que resta indiciada uma incapacidade do custodiado reger-se de acordo com as regras de civilidade e sociabilidade, oferecendo, assim, a liberdade do custodiado, ofensa à ordem pública, assim considerado o sentimento de segurança, prometido constitucionalmente, como garantia dos demais direitos dos cidadãos", disse o juiz.
Sargento cedeu lugar para assediar a vítima
A vítima Priscila Trindade Alcântara, 32 anos, contou ao DIA que seguia para o trabalho quando entrou no ônibus lotado e o José Carlos, de 35 anos, estava sentado e cedeu o lugar para ela. A servidora pública disse que ele ficou em pé do seu lado e percebeu que ele estava com o pênis ereto encostando nela.
Ela pegou o celular para filmar e o militar se afastou, revelando a calça já ejaculada. A vítima gritou por socorro e contou com a ajuda de passageiros, que contiveram o assediador e chamaram policiais militares baseados na rodovia BR-101, em Neves, que o prenderam.
"Isso acontece diariamente, infelizmente, me senti muito mal, não tem como ficar bem. Mas não vou me calar, porque isso é inadmissível. Meu corpo não é público, não é objeto sexual. As mulheres não devem se calar, não podem tolerar isso. Espero por justiça, que ele pague por isso. Que outras vítimas o reconheçam e denunciem", disse Priscila.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários