O miliciano Adriano Nóbrega estava foragido há mais de um ano e se escondia num sítio no interior da Bahia, onde foi morto pela polícia - Arquivo Pessoal
O miliciano Adriano Nóbrega estava foragido há mais de um ano e se escondia num sítio no interior da Bahia, onde foi morto pela políciaArquivo Pessoal
Por Waleska Borges
Rio - A diretora do departamento de Polícia Técnica e Científica do Rio, delegada Nadia Abraão, informou que começou, na tarde desta quinta-feira, a necrópsia no corpo do ex-PM Adriano da Nóbrega. O novo exame cadavérico foi realizado no Instituto Médico Legal (IML) do Rio de Janeiro. O exame complementar da necrópsia atende a pedidos das Justiças da Bahia e do Rio. Além da equipe do IML do Rio, assistentes técnicos do MP da Bahia, advogados da família e perito particular participaram do processo.
Segundo o perito Francisco Miguel Moraes, que foi diretor do IML do Paraná, contratado pela família de Adriano, ele fará um parecer em cima do laudo da necrópsia. O processo pode levar até 15 dias. De acordo com Moraes, existem pontos no laudo da Bahia que podem ser esclarecidos, como o orifício de entrada do tiro que atingiu Adriano, o que, segundo o perito, chama-se de "tiro encostado". Essa primeira análise do perito é baseada em uma fotografia publicada pela Veja. Apesar do estado de putrefação do corpo, ele acredita que a perícia não será comprometida.
Publicidade
"Muita coisa não poderia ter sido feita como foi. Um dos protocolos de polícia mundo todo é esperar até a exaustão para que o indivíduo seja preso." Ainda segundo o perito, tudo está sendo fotografado. Peritos designados pelo Ministério Público da Bahia e do Rio participaram da necrópsia.
Depois de ter contato com corpo de Adriano, o perito Francisco Miguel disse que o "tiro encostado" trata-se de uma marca de queimadura. "Encostou a boca da arma, mas não atirou". Questionado se o atirador queria ver se Adriano estava vivo, o perito apenas disse: "Não sei, pode ser". Quanto ao tiro do pescoço do miliciano, ele disse que foi ascendente, de baixo para cima.