Guardas municipais começam greve

.

Por O Dia

Os guardas municipais do Rio começaram hoje uma greve em pleno Carnaval carioca. A categoria reivindica o cumprimento das promoções previstas no plano de carreira, o reajuste do ticket-alimentação (que tem o mesmo valor de R$ 360 desde 2012) e a convocação de cerca de 1.500 concursados de 2012.

O primeiro ato ocorreu às 8h, em frente ao Hemorio, no Centro. Os agentes optaram por se manifestar realizando uma doação de sangue em massa com o objetivo de chamar a atenção, de maneira pacífica e solidária, para suas reivindicações.

De acordo com a Associação Frente Manifestante, representante dos guardas municipais, a ação voluntária poderá ser realizada até a terça-feira de Carnaval. Até 10h, o balanço parcial era de que 200 guardas municipais do Rio já tinham comparecido ao Hemorio para realizar a doação de sangue.

A Subtran, departamento de trânsito, aguardava que 265 guardas municipais se apresentassem às 6h deste sábado. Porém, 238 faltaram e somente 27 marcaram presença.

Em nota, o comando da Guarda Municipal informou que o movimento Frente Manifestante, que decretou a greve, não é uma entidade sindical e não representa a maioria do efetivo.

Além disso, o órgão afirma que "não mede esforços para atender aos pleitos da categoria e informa que alguns deles, como a regulamentação das escalas de trabalho, a reestruturação do regime de cotas extras, a implantação do programa Minha Casa, Meu Guarda, e o reajuste salarial do funcionalismo em 8,17%, já foram implementados". 

Por fim, a corporação lembrou que os guardas municipais "sabem da importância das ações da instituição nas ruas durante o período de carnaval no Rio, um dos momentos em que a cidade mais precisa dos agentes."

O Sisep Rio, única entidade sindical que representa os servidores públicos do Município do Rio de Janeiro, em especial os guardas municipais, também soltou uma nota. E informou que o movimento dos guardas é formado por um pequeno grupo e que não chega a 3% do total da categoria, que totaliza cerca de 7500 servidores da Guarda Municipal do Rio.

Rodrigo, presidente da Associação Frente Manifestante, comentou sobre a nota do Sisep Rio. "Eles não têm legitimidade nenhuma para falar do assunto. Eles não participaram de nenhuma das três assembleias que realizamos. O que legitima é a frota, é a nossa categoria", afirmou. 

Os guardas municipais atuaram pela manhã em cinco ocorrências de furto, tentativa de furto e tráfico de drogas na Zona Sul do Rio.

Reportagem do estagiário Felipe Gavinho, sob supervisão de Bete Nogueira

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários