Correntes do bem se espalham para combater o coronavírus

Boas ações como comprar remédios para idosos e fazer vaquinha para ajudar autônomos têm ganhado as redes sociais

Por Yuri Eiras

Zélia Duncan
Zélia Duncan -

Rio - Na mesma velocidade em que mensagens falsas são difundidas nos celulares dos brasileiros, boas ações também viralizam em meio ao pânico pela pandemia do novo coronavírus. Há quem tenha dispensado funcionários, mas cumprirá o pagamento do serviço; outros, se oferecem para ir à farmácia para buscar produtos para os idosos do bairro que não podem deixar o isolamento de casa. Tem gente fazendo compras na mercearia da rua, que não pode se dar ao luxo de fechar as portas. Pontos de empatia se espalham pelo país.

A cantora Zélia Duncan entrou de cabeça na corrente de solidariedade: dispensou as pessoas que trabalham em sua casa, mas não suspendeu os salários. "O momento é muito delicado e desconhecido para todos. Estamos assustados e o equilíbrio entre o pânico e a responsabilidade é fundamental que possamos encontrar! Dispensei as pessoas que trabalham na minha casa para ver como fica para que se protejam", disse a artista. "Vou pagar a todos normalmente, enquanto eu puder. Tenho meus limites, mas vou pensar em todos, não apenas em mim. Já está acontecendo. Foram 12 shows cancelados, precisamos manter a calma, apesar de tudo".

Thamara Rodrigues já deixou de frequentar as grandes redes de supermercado de Campo Grande, na Zona Oeste do Rio. Além de evitar aglomerações e filas, a estudante de 24 anos dá prioridade aos pequenos comerciantes do bairro, donos de padarias e mercearias, que podem ter seus negócios fechados por conta da pouca movimentação de clientes.

"Estou dando mais importância ao comércio local. As lojas que têm perto da minha casa suprem minha necessidade. Tem farmácia, padaria, hortifruti. A pandemia vai afetar economicamente todo mundo, mas as grandes empresas vão resistir muito mais facilmente que os pequenos comerciantes. Normalmente, esses comércios são a renda de toda uma família", explica Thamara.

Guilherme Miranda, também morador da Zona Oeste, já avisou aos vizinhos do bairro e publicou nas redes sociais: está se oferecendo para ir ao supermercado e à farmácia comprar produtos essenciais às pessoas que fazem parte do grupo de risco — aquelas com doenças cardíacas e respiratórias e também os idosos. Sem custos, por empatia. "Vi nos jornais que as pessoas estavam fazendo correntes positivas de tudo quanto é tipo. Pensei que as pessoas precisam de ajuda nessas horas. Como fariam para se alimentar? Precisam mesmo correr risco de vida? Me propus a fazer isso, não só na internet, como no meu bairro".

Nas redes sociais de moradores de Paquetá, um aviso: "Iniciamos a arrecadação de alimentos básicos não perecíveis e artigos de higiene aos trabalhadores informais atingidos pela crise da Covid-19 aqui no nosso bairro". O homem nunca será uma ilha deserta.

 

Vaquinha dá ajuda a quem é autônomo e está no prejuízo

As boas ações não são só individuais. Pessoas têm se reunido para diminuir a angústia de quem trabalha por conta própria e perdeu clientes pela paralisação do novo coronavírus. É o caso da 'Vakinha Xô Corona', criada por quatro amigas. Uma delas fez uma doação de mil reais para a manicure que a atende, e a corrente se espalhou.

Elas criaram um Instagram (@vakinha_xo_corona), onde contam histórias de autônomos que precisam de ajuda para manter a renda familiar.

"Nossa intenção é tanto criar vaquinhas próprias para ajudar conhecidos e os que procurarem por nossa ajuda (algumas pessoas já começaram a nos procurar solicitando ajuda), como criar uma corrente do bem. Torcemos para que nossos seguidores mais engajados literalmente sigam o exemplo e criem suas próprias vaquinhas. Hoje buscamos divulgar todas a boas ações que chegam a nós, sejam vaquinhas, doações únicas, ou outras atitudes de solidariedade nesses tempos de crise", disse a jovem Jessica Hollander, de 22 anos, uma das idealizadoras do projeto.

"A grande lição que podemos tirar da situação que estamos vivendo é a de que no meio da crise, existem oportunidades de se fazer o bem. O próprio Dalai Lama já disse: 'É durante as fases de maior adversidade que surgem as grandes oportunidades de se fazer o bem a si mesmo e aos outros'. Fazer o bem também faz bem para a alma, e todos estamos precisando alimentar nossas almas nesses tempos de crise", complementa a voluntária.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O DiaFaça uma contribuição

Comentários