Filho de vítima da covid-19: 'Queriam me dar outro corpo'

Informada do óbito só no dia seguinte, família de Avelino Troina precisou procurar corpo do idoso por 4 horas em contêiner, no Maracanã

Por Anderson Justino

Avelino Troina: família acusa hospital de desorganização
Avelino Troina: família acusa hospital de desorganização -

A camisa do Vasco colocada sobre o caixão foi a única maneira que o porteiro Avelino Fernandes Troina Neto, de 43 anos, conseguiu para homenagear e dar o último adeus ao pai, o aposentado Avelino Fernandes Troina Filho, de 74, morto no fim de semana em decorrência da covid-19. Durante o enterro, no cemitério do Catumbi, a dor da perda cedeu espaço para o desabafo de quem ficou por quase quatro horas tentando achar o corpo do pai num contêiner, ao lado do hospital de campanha no Maracanã.

"Meu pai foi tratado como gado. Ficou num espaço amontoado de corpos. Queriam me dar outro corpo no lugar do dele", denuncia Avelino Neto.

Familiares contam que o idoso faleceu na manhã de sábado, dia 16, mas o hospital só avisou um dia depois. "Eu saí do trabalho e fui ao hospital saber sobre ele. Me disseram para voltar para casa, porque era arriscado e entrariam em contato. Assim que cheguei em casa, recebi uma ligação pedindo para retornar com os documentos dele. Só então soube que meu pai estava morto, e que isso tinha ocorrido no dia anterior. Como perderam todos os contatos da família, não conseguiram avisar", diz o filho do aposentado.

Avelino estava internado desde 10 de maio, na UPA da Tijuca, onde ficou até o dia 15, quando foi transferido. "O que me deixa mais triste é saber que, se eu não fosse ao hospital para buscar informações sobre ele, nem saberia do falecimento. Provavelmente meu pai seria enterrado como indigente", desabafa. Em nota, a Secretaria Estadual de Saúde esclarece "que tem realizado vistorias diariamente para reparar falhas da OS contratada para gerir a unidade".

Contágio pode ter ocorrido em hospital público

Avelino Fernandes Troina Filho pode ter contraído a doença dentro do Hospital Municipal Souza Aguiar, onde ele foi atendido no último dia 3 de maio, após passar por um acidente doméstico.
O filho conta que o pai caiu dentro de casa e precisou ser levado ao hospital. A família mora no Estácio, bairro perto da unidade de saúde. Lá, Avelino ficou por quase duas horas até ser liberado e levado para casa. O bairro tem 21 casos de Covid-19 confirmados pela Secretária Municipal de saúde. 
"Ele estava muito bem de saúde. Apesar de ser idoso, estava seguindo as ordens de isolamento e permanecendo em casa. Uma semana após esse episódio, ele passou a ter os sintomas da doença. A situação se agravou e o levamos para a UPA". 

Comentários