Operação apreende carros de luxo avaliados em R$ 5 milhões usados em 'rachas'

Um Porsche que custa R$ 2 milhões foi encontrado em uma concessionária de veículos na Barra da Tijuca; modelo é um dos nove existentes no país

Por RAI AQUINO

Carros apreendidos foram levados para a Cidade da Polícia
Carros apreendidos foram levados para a Cidade da Polícia -
Rio - As polícias Civil e Rodoviária Federal (PRF) fazem, desde as primeiras horas da manhã desta quinta-feira, a Operação Party is Over (em tradição livre, A Festa Acabou) contra um grupo que pratica "rachas" em rodovias do estado. São 24 mandados de busca e apreensão - 23 para apreender carros de luxo, importados e com motores potentes, avaliados em cerca de R$ 5 milhões, e outro contra o cinegrafista do grupo.
Até o momento, 22 carros foram apreendidos e um deles ainda é procurado. Na parta da frente de pelo menos seis deles, que foram enviados para a Cidade da Polícia, no Jacaré, havia adesivos com a palavra Bravus.

Galeria de Fotos

Operação apreende carros de luxo avaliados em R$ 5 milhões usados em 'rachas' Reginaldo Pimenta
Operação apreende carros de luxo avaliados em R$ 5 milhões usados em 'rachas' Reginaldo Pimenta
Operação apreende carros de luxo avaliados em R$ 5 milhões usados em 'rachas' Reginaldo Pimenta
Operação apreende carros de luxo avaliados em R$ 5 milhões usados em 'rachas' Reginaldo Pimenta
Operação apreende carros de luxo avaliados em R$ 5 milhões usados em 'rachas' Reginaldo Pimenta
Operação apreende carros de luxo avaliados em R$ 5 milhões usados em 'rachas' Reginaldo Pimenta
Carros apreendidos foram levados para a Cidade da Polícia Reginaldo Pimenta / Agência O DIA
Armas apreendidas na ação Reginaldo Pimenta / Agência O DIA
Carros apreendidos foram levados para a Cidade da Polícia Reginaldo Pimenta / Agência O DIA
Carros apreendidos foram levados para a Cidade da Polícia Reginaldo Pimenta / Agência O DIA
Carros apreendidos foram levados para a Cidade da Polícia Reginaldo Pimenta / Agência O DIA
Carros apreendidos foram levados para a Cidade da Polícia Reginaldo Pimenta / Agência O DIA
Carros apreendidos foram levados para a Cidade da Polícia Reginaldo Pimenta / Agência O DIA
Carros apreendidos foram levados para a Cidade da Polícia Reginaldo Pimenta / Agência O DIA
Porsche apreendido na Barra Divulgação / PRF
Policiais foram enviados há vários endereços Divulgação / PRF
Policiais foram enviados há vários endereços Divulgação / PRF
Porsche apreendido na Barra Divulgação / PRF
Porsche apreendido na Barra Divulgação / PRF
Além das apreensões, duas pessoas foram presas em flagrante por porte ilegal de arma, dentre elas o empresário Fábio Dutra Souza. De acordo com a PRF, o dono de um dos armamentos apresentou registro, mas ele tinha adulteração, caracterizando ilegalidade.
Um dos automóveis apreendido é um Porsche Carrera 911 GT RS3, avaliado em cerca de R$ 2 milhões. No Brasil, existem apenas nove modelos iguais a ele.
O veículo pertence a Fábio, dono de uma concessionária de veículos na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio. O empresário já havia sido preso pela Polícia Federal, em 2011, por suspeita de participação em uma quadrilha de contraventores e mafiosos israelenses.
Na ocasião, ele foi investigado por fazer parte de um grupo responsável por contrabando de pedras preciosas e importação de carros de luxo usados, prática proibida pela legislação brasileira, além de sonegação fiscal. 
Outro empresário alvo da ação de hoje é morador do Flamengo, na Zona Sul, e dono de uma loja de automóveis. Ele é apontado como encarregado de fazer modificações nos carros, agindo para prepará-los para os rachas e possui canais na Internet para divulgação das corridas.
Ainda segundo a PRF, os "pegas" em via pública colocam em risco a vida de inocentes. Os motoristas dirigem em alta velocidade, com exibição de manobras arriscadas, de forma irresponsável e desrespeitando a segurança dos demais usuários. Os participantes ainda filmam e publicam o material em canais de mídias sociais na Internet.
Os mandados da operação estão sendo cumpridos nos seguintes locais:
. ZONA OESTE: Barra da Tijuca, Jacarepaguá e Campo Grande
. ZANA SUL: Copacabana, Leblon, Jardim Botânico, Botafogo e Flamengo
. ZONA NORTE: , Ilha do Governador, Benfica e Alto da Boa Vista
. BAIXADA: Duque de Caxias
. REGIÃO SERRANA: Miguel Pereira
ACIDENTE NA RIO-JUIZ DE FORA

As investigações para a operação começaram na 106ª DP (Itaipava), há cerca de um mês, após uma competição automobilística não autorizada envolvendo 26 carros na Rodovia Washington Luís (BR-040), entre Petrópolis e Itaipava, na Região Serrana, no dia 26 de abril.
Na ocasião, um dos envolvidos capotou com um BMW X1, quando dirigia em alta velocidade na altura do km 51 da Rio-Juiz de Fora. Após o acidente, ele fugiu do local por não ter habilitação, além de ter pedido a remoção do carro da via antes da chegada da perícia, alterando a cena do acidente.
Segundo o delegado João Valentim, titular da 106ª DP, o grupo teria se encontrado às 9h da manhã do dia da competição, em um posto de gasolina na Lagoa Rodrigo de Freitas, na Zona Sul da capital, e seguido em comboio até o distrito de Itaipava, em Petrópolis. O racha começou ainda durante o trajeto, na Serra, com realização de manobras perigosas.
"Foram solicitadas imagens de monitoramento de diversos pontos da BR, desde o município do Rio, da Zona Sul, da Lagoa Rodrigo de Freitas, até o local do acidente. A partir de então, nós identificamos, com o auxílio da Polícia Rodoviária Federal, que esse veículo que se acidentou praticava o racha com outros 25 veículos", destaca o delegado.

Galeria de Fotos

Acidente na Rio-Juiz de Fora no fim de abril que originou a investigação Reprodução / Internet
Acidente na Rio-Juiz de Fora no fim de abril que originou a investigação Reprodução / Internet
Com base em ações de inteligência, diligências e análise de mais de 16 horas de filmagens, foi possível identificar o autor do capotamento e todos os veículos envolvidos na disputa.
"Eles respondem pelos crimes previstos no Código de Trânsito Brasileiro que é a prática competição automobilística não autorizada, associação criminosa, já que sabe-se que eles praticam racha de modo habitual, corriqueiramente, e pontualmente um ou outro responderá por outro delito. Há fraude, adulteração de veículo automotor, apologia ao crime, por incentivar fato criminoso, consistente no racha", Valentim enumera.

Comentários

Últimas de Rio de Janeiro