Indefinição que pode matar

Hospitais de campanha de São Gonçalo e Nova Iguaçu seguem sem data para abrir

Por Gabriel Sobreira

Virou uma incógnita a data de inauguração dos hospitais de Campanha de São Gonçalo e do Modular de Nova Iguaçu, previstos para funcionar, respectivamente, a partir de ontem (quinta-feira) e hoje. A entrada das unidades mais lembrava um canteiro de obras, com escavadeiras e caminhão. "Ainda não temos a confirmação se vamos conseguir manter essas datas", afirma a assessoria da organização social Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (Iabas).

De acordo com a OS, o instituto iniciou, ontem de manhã, a troca de parte do piso da unidade de São Gonçalo. "Após a contaminação por piche, pelos seguranças do deputado Fillipe Poubel (PSL), na véspera", explicou, por meio de nota. Segundo o instituto, as equipes médica e de engenharia do local tentariam informar quando será possível entregar os leitos ainda ontem. Mas até o fechamento desta edição, não houve nenhum comunicado oficial.

"Diante dessa adversidade, a Iabas precisou utilizar os pisos que iriam para a unidade de Nova Iguaçu, que será finalizada com material comprado ontem à noite, disponível no mercado em valor próximo ao dobro do preço", justifica por nota.

Abertura por liminar

Vale ressaltar que a fila de espera por UTIs e enfermarias chega a 290 pacientes no estado. Até quarta-feira, São Gonçalo havia registrado 154 mortes por covid-19, outras 26 são investigada. Casos confirmados são 1.224 e 7.396 suspeitos. A Defensoria Pública do Estado obteve liminar obrigando a Iabas e o governo a abrirem todos os 200 leitos - 120 de enfermaria e 80 de UTI - do hospital de campanha. Contudo, a princípio só será possível transferir 10 pacientes para a unidade, devido ao número limitado de respiradores mecânicos disponíveis.

Comentários

Últimas de Rio de Janeiro