Seis hospitais de campanha não serão mais administrados pela Iabas

Decisão foi divulgada pela Secretaria Estadual de Saúde (SES)

Por O Dia

Hospital de campanha de Nova Iguaçu, ontem, ainda era um canteiro de obras
Hospital de campanha de Nova Iguaçu, ontem, ainda era um canteiro de obras -
Rio - A Secretaria de Estado de Saúde (SES) informou nesta segunda-feira que a condução das obras dos seis hospitais de campanha do estado não será mais administrado pela Iabas. A decisão foi tomada na sexta-feira em uma reunião entre Organização Social e o secretário de saúde do estado Fernando Ferry. A administração das unidades ficarão a cargo de um consórcio de empresários.
A junta foi indicada pelo vice-presidente da Federação Brasileira dos Hospitais e da Associação dos Hospitais do Estado do Rio de Janeiro. A medida vale para todas as unidades dedicadas ao tratamento de pacientes do covid-19 que ainda não foram inaugurados. No entanto, foi decidido que a unidade do Maracanã deve permanecer sob a gestão da Iabas.

Na tarde desta segunda-feira, uma reunião com a presença do Procurador Geral do Estado do Rio orientou sobre os termos do acordo de transição para garantir a continuidade das obras e a compra de insumos e medicamentos.

Além disso SES destacou que as obras ficarão agora sob a supervisão da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Obras (Seinfra). O órgão será responsável pelo acompanhamento e cobrança das questões técnicas relacionadas à construção dos hospitais de campanha.  A pasta ainda irá divulgar um novo cronograma com a entrega das unidades. 
Em nota, a Iabas reforçou que um trabalho de transição entre a organização, a Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro e de representantes da iniciativa privada será formado para realizar a transferência da administração das unidades de saúde para entidades privadas. O processo. será acompanhado e referendado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro. A gestão do hospital de campanha do Maracanã segue com a Iabas.

"O próximo passo é a questão legal, documental. As áreas jurídicas do Iabas e do consórcio privado precisam conversar e haverá visitas técnicas a partir de amanhã. Precisamos de uma resposta rápida para a população. Não é uma negociação fácil, mas estamos trabalhando para conseguir o mais brevemente possível. Queremos o aval dos órgãos de controle para fazer essa ação e estamos chamando o Ministério Público do Estado do Rio para participar", disse o secretário de Saúde, Fernando Ferry.

No encontro, o Iabas informou que aceita a decisão de transferir a gestão das unidades de saúde para um consórcio privado e se comprometeu a concluir as obras de quatro unidades hospitalares até o final da próxima semana: São Gonçalo, Nova Iguaçu, Caxias e Friburgo. Está sendo buscada ainda uma alternativa para contratar o mais rapidamente possível as equipes médicas e de enfermagem para essas unidades.

Na ocasião, os membros da associação e do sindicato solicitaram mais detalhes sobre as unidades de saúde e o contrato estabelecido com o Governo do Estado do Rio para se organizarem a partir das informações fornecidas. Nesta terça-feira (02/06), representantes da entidade vão se reunir com membros do Iabas no escritório da empresa. Visitas também devem ser feitas aos hospitais de campanha ao longo desta semana.

De acordo com o procurador-geral do Estado, Marcelo Lopes, antes da definição de qual será o formato jurídico mais adequado à transição administrativa é preciso que as partes troquem informações técnicas. "É preciso que as partes se integrem para que o processo tenha continuidade. A partir daí, poderemos decidir o formato juridicamente adequado", afirmou.

De acordo com o cronograma apresentado pelo Iabas, o Hospital de campanha de São Gonçalo já está pronto, a unidade de Nova Iguaçu tem previsão de entrega para quarta-feira, Caxias deve ser finalizada até sexta-feira e Nova Friburgo será entregue no dia 7 de junho. Apenas as unidades de Campos dos Goytacazes e Casimiro de Abreu ficarão pendentes. Apenas o hospital de campanha do Maracanã, já entregue, continuará sendo administrado pelo Iabas.

"Vamos fazer todo o esforço para entregar ainda dentro do prazo. Podem contar conosco. Não é porque não vamos continuar na gestão das unidades que vamos deixar de entregá-los nas mesmas condições do hospital de campanha do Maracanã. Convido vocês a visitarem para ver a qualidade das instalações", frisou o advogado do Iabas, Roberto Bertholdo.

Para o vice-presidente da Associação dos Hospitais do Estado do Rio, a segunda reunião foi proveitosa: "Acho que avançamos. Não tínhamos uma posição do Iabas em relação à entrega da administração para o consórcio privado", afirmou. 
Segundo o secretário de Infraestrutura e Obras, Bruno Kazuhiro, as vistorias nos hospitais de campanha serão mantidas.

Comentários