'Nossa meta é solucionar a investigação até o fim do ano', diz delegado sobre caso Marielle

Diretor-geral do Departamento Geral de Homicídios e Proteção à Pessoa da Polícia Civil descartou participação da família Bolsonaro nas mortes da vereadora e do motorista Anderson Gomes

Por O Dia

Chegada de material apreendido na DHC
Chegada de material apreendido na DHC -
Rio - O diretor-geral do Departamento Geral de Homicídios e Proteção à Pessoa (DGHPP), o delegado Antônio Ricardo Nunes, disse, na manhã desta quarta-feira, que a Polícia Civil trabalha para solucionar os assassinatos da vereadora Marielle Franco (Psol) e do motorista Anderson Gomes até o fim deste ano. Nunes, no entanto, não confirmou a existência de uma motivação para as execuções.
"A motivação da morte ainda é objeto de investigação. Nossa meta é finalizar até dezembro de 2020. Se tiver mandante, o mandante vai ser apontado", avisou.
A declaração foi dada em coletiva de imprensa na Delegacia de Homicídios da Capital (DHC), na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio, após a operação que prendeu o militar do Corpo de Bombeiros Maxwell Simões Correa, durante uma ação que investiga as mortes da vereadora de seu motorista. O bombeiro é suspeito de ter participado do sumiço das armas que podem ter sido usadas no duplo homicídio.
"Esse agente público preso tem participação direta nesse evento criminoso. Com essa prisão, chegamos a 65 pessoas presas decorrentes dos desmembramentos da investigação principal. Ainda temos mais alguns inquéritos em andamento que vão levar a outras prisões", apontou Nunes.
O delegado acrescentou que Maxwell aparentemente não tem renda compatível com o que os bens que tem.
"Ele poderá ser alvo de inquérito sobre lavagem de dinheiro, posteriormente", avisou.
Perguntado sobre a citação do nome do presidente Jair Bolsonaro por um porteiro do condomínio onde ele e Ronnie Lessa moram, o delegado afirmou que a família Bolsonaro não tem nenhuma participação nos assassinatos.
"Não temos nenhum indício de participação desta família. O porteiro caiu em alguma contradição", assinalou.

Comentários