404 Not Found

404 Not Found


nginx

Exclusivo:Pedro Fernandes é chamado de 'Chefe' por presos e 'Mafioso' pelo MP; veja fotos da denúncia

Fotos mostram que denunciados tinham relação próxima

Por Bruna Fantti e Thuany Dossares

Pedro Fernandes
Pedro Fernandes -
Rio - A denúncia do Ministério Público, à qual O DIA teve acesso, mostra que o secretário Estadual de Educação, Pedro Fernandes, era chamado de 'chefe' pelos outros integrantes da organização apontada por usar a Fundação Leão XIII para fraudar licitações em projetos sociais assistenciais e desviar dinheiro público. O grupo chamava a ação de convencer as pessoas da ação ilícita de 'networking', tinham relação próxima, como confraternizações entre casais, e são classificados pelos promotores como 'grupo mafioso'.
O grupo é visto pelo órgão de investigação como 'uma verdadeira máfia' que usava a fundação para receber vantagens financeiras indevidas através de pagamento de propinas e ganhos políticos, em prejuízo de pessoas de baixa renda. Com as irregularidades, a organização criminosa firmou contratos de pregão superfaturados que ultrapassaram R$ 117 milhões, no período entre 2013 e 2018.

Numa conversa no WhatsApp, em outubro do ano passado, Flávio Chadud, um dos presos nesta sexta-feira, durante a segunda fase da Operação Catarata, e Marcus Vinicius Azevedo da Silva, o MV, preso na primeira etapa das investigações, em julho do ano passado, comemoraram o fato de Pedro Fernandes assumir a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos do Rio, por acreditarem que desta forma, poderiam obter ainda mais vantagens para o esquema.

- Flavio Chadud: Estava em reunião com nosso chefe Pedro
- MV: Tranquilo irmão (...) E confirmando Pedro lá na SMASDH mesmo, mais fácil ainda de quebrar
Trechos da denúncia do MP, onde Chadud diz que, com Pedro Fernandes em secretaria, fica 'mais fácil de quebrar' - Reprodução
Trechos da denúncia do MP, onde Chadud chama Pedro Fernandes de 'chefe' - Reprodução


De acordo com o MP, “mais fácil de quebrar” se referia à uma facilidade que a máfia teria para fraudar licitações e obter mais vantagens financeiras.
Ainda segundo o MP, o grupo criminoso utilizava-se de empresas compostas por familiares  e pessoas próximas, assim como de OSs (Organizações Sociais), para conferir aparência de competitividade e fraudar licitações. A Servlog Rio —empresa ligada aos denunciados Flávio Chadud e de sua mulher, Marcelle Chadud (somente denunciada)— sempre estava com a vitória garantida nas licitações, por conta das tratativas. 
Nos celulares apreendidos na primeira fase da operação, a polícia conseguiu também localizar fotos dos casais Pedro Fernandes e sua esposa em confraternizações com Chadud e Marcelle. Cristiane Brasil também aparece em fotos com o casal. 
Marcelle Chadud, Flávio Chadud e Cristiane Brasil - Reprodução
Flávio Chadud e Marcelle Chadud à esquerda; à direita Pedro Fernandes e sua mulher - Reprodução
Networking
As investigações ainda revelaram que o núcleo político da organização criminosa procurava também atuar na esfera federal, além dos contatos já existentes nos poderes municiais e estaduais. Um dos contatos dos mafiosos, segundo a denúncia do MP, era o então deputado federal Leonardo Picciani.

Num diálogo no WhatsApp, os denunciados Flávio Chadud e Marcus Vinicius, conversam sobre Picciani e comemoram o “network” da máfia. A conversa, que aconteceu em novembro de 2015, iniciou com Chadud, que é apontado como líder do núcleo empresarial do grupo, dizendo que foi convidado para o aniversário do Leonardo Picciani.

- Flávio Chadud: Estive com ele em BSB (Brasília) ontem. Gostou de mim! Kkkk
- Marcus Vinicius: Opa! Bom...
- Flávio Chadud: Sim! Disse paa ele o que nosso grupo faz, ficou animado
- Marcus Vinicius: Excelente network
Em nota, a assessoria do secretário Pedro Fernandes, que vai ficar em prisão domiciliar até o dia 20 deste mês por estar com coronavírus, disse:
"Pedro Fernandes ficou indignado com a ordem de prisão. O advogado dele vinha pedindo acesso ao processo desde o final de julho, mas não conseguiu. A defesa colocou Pedro à disposição das autoridades para esclarecimentos na oportunidade. No entanto, Pedro nunca foi ouvido e só soube pela imprensa de que estava sendo investigado por algo que ainda não tem certeza do que é.
Pedro confia que tudo será esclarecido o mais rápido possível e a inocência dele provada".
Posicionamento Cristiane Brasil:
"Tiveram oito anos para investigar essa denúncia sem fundamento, feita em 2012 contra mim, e não fizeram pois não quiseram. Mas aparecem agora que sou pré-candidata a prefeita numa tentativa clara de me perseguir politicamente, a mim e ao meu pai. Em menos de uma semana, Eduardo Paes, Crivella e eu viramos alvos. Basta um pingo de racionalidade para se ver que a busca contra mim é desproporcional. Isso deve ter dedo da candidata Martha Rocha, do Cowitzel e do André Ceciliano. Vingança e política não são papel do Ministério Público nem da Polícia Civil".
Os outros citados estão sendo procurados pela reportagem.

 

Galeria de Fotos

Pedro Fernandes Cléber Mendes / Agência O Dia
Marcelle Chadud, Flávio Chadud e Cristiane Brasil Reprodução
Flávio Chadud e Marcelle Chadud à esquerda; à direita Pedro Fernandes e sua mulher Reprodução
Trechos da denúncia do MP, onde Chadud diz que, com Pedro Fernandes em secretaria, fica 'mais fácil de quebrar' Reprodução
Trechos da denúncia do MP, onde Chadud chama Pedro Fernandes de 'chefe' Reprodução
Rio,29/07/2019 -GAMBOA- Secretaria Estadual de Educaçõa- O governodo Rio lançou nesta segunda-feira, o programa Escola Pra Vida, com turmas em tempo integral. Na foto, Pedro Fernandes(secretario de educação) ,durante o lançamento do programa.Foto: Cléber Mendes/Agência O Dia Cléber Mendes

Comentários