Família afirma que Danillo Félix de Oliveira é inocente - Reprodução/Instagram
Família afirma que Danillo Félix de Oliveira é inocenteReprodução/Instagram
Por O Dia
Publicado 12/09/2020 09:58 | Atualizado 12/09/2020 10:11
Rio - A família de Danillo Félix Vicente de Oliveira, de 24 anos, que diz que o jovem foi preso injustamente, fará um protesto no dia 28 de setembro às 15h na sede do Tribunal de Justiça pedindo sua liberdade. A companheira de Danillo, Beatriz Faria, de 21 anos, diz que o jovem foi reconhecido como autor de um roubo a mão armada por fotos antigas do Facebook e que ele não apresenta as características do suspeito, descritas pela vítima do crime.
Família marcou um protesto para o dia 28 de setembro - Facebook / Divulgação
Publicidade
Beatriz ressalta que imagens de câmera de segurança do local não foram usadas para identificar o culpado. "A vítima fala que no local do crime havia câmeras de segurança. Nós não conseguimos ter acesso até hoje. Já tentamos de todos os jeitos. Essas imagens vão ser cruciais para provar que (o suspeito) não era o Danillo", conta.
O crime ocorreu no dia 2 de julho, por volta de 22h, perto da Concha Acústica de Niterói. Na delegacia, a vítima descreveu o autor do roubo como um homem pardo, com bigode fino e de cerca de 20 anos. Danillo é negro, tem barba e mantém o cabelo comprido com dreads desde o ano passado, segundo a defesa.
Publicidade
"O Danillo tem cabelo grande. Característica que certamente teria sido citada, caso ele fosse o culpado. Reconheceram o Danillo por fotos do Facebook de 2017, época em que ele tinha o cabelo bem baixinho e bigode fino", diz Beatriz.
Para a defesa, Danillo está preso por conta de um reconhecimento fotográfico falho. A advogada Cristiane Lemos critica a falta de outras diligências para embasar o pedido de prisão preventiva. O jovem não tem antecedentes criminais, tem um filho de um ano e três meses com Beatriz e possui residência fixa.
Publicidade
"Infelizmente, isso acontece com muitos jovens negros moradores de comunidade por conta dessas prisões proferidas sem o mínimo de cuidado. Pelo menos poderiam ter diligenciado as câmeras. O simples reconhecimento é muito pouco para determinar uma prisão. Existe a falha humana. Quem acaba de ser assaltado está com adrenalina muito alta, não consegue fazer os registros precisos do suspeito a ponto de condenar uma pessoa", afirma a advogada.
Danillo trabalhava até março deste ano como funcionário terceirizado para o gabinete da reitoria da Universidade Federal Fluminense (UFF), onde também já prestou serviços no bandeijão. Depois de não ter o contrato renovado, após voltar de uma licença médica, Danillo passou a trabalhar com Beatriz em entregas de uma loja virtual, conta a companheira.