Confronto na Avenida Brasil acaba com PM morto e motorista baleado - Divulgação
Confronto na Avenida Brasil acaba com PM morto e motorista baleadoDivulgação
Por O Dia
Publicado 12/10/2020 12:01 | Atualizado há 4 dias
Rio - Policiais do 14º BPM (Bangu) balearam um homem suspeito de ter participado do tiroteio na Avenida Brasil que terminou com a morte do sargento Círio Damasceno Santos, na manhã desta segunda-feira. O policial foi atingido na cabeça, ao tentar abordar um carro usado por homens armados na altura de Deodoro. Um segundo suspeito foi preso. 
O veículo usado pelos bandidos foi localizado dentro da comunidade do Muquiço, nas proximidades da via expressa, e passou por perícia. Segundo a polícia, as características do carro são semelhantes à do usado pelos bandidos no ataque.
Publicidade
De acordo com a PM, apos o ataque houve incursão na comunidade do Muquiço, local que os criminosos teriam fugido. Com a entrada dos agentes, homens armados efetuaram disparos contra eles. O suspeito baleado e levado para o Hospital Municipal Albert Schweitzer, em Realengo. 
Os militares apreenderam uma pistola calibre .40, munições e um radiotransmissor. Policiais do 9º BPM (Rocha Miranda) detiveram um suspeito e apreenderam um radiotransmissor, 160 pequenos tabletes de maconha, 660 pinos de cocaína e dinheiro em espécie. Equipe do 9º BPM também apreendeu uma espingarda calibre 12, uma pistola calibre 9 mm e um radiotransmissor
Publicidade
Um veículo que estaria sendo usado pelos criminosos na ocorrência da Avenida Brasil também foi localizado e apreendido. As ocorrências foram encaminhadas para 27ª DP (Vicente de Carvalho) e 35ª DP (Campo Grande).
O confronto ocorreu por volta das 7h, em Deodoro, Zona Oeste do Rio, na pista sentido região central. Um motorista que passava na pista contrária, identificado como Ismael Souza do Nascimento, também foi atingido pelos disparos. Ele foi socorrido para o Hospital Municipal Albert Schweitzer, em Realengo. Posteriormente, ele foi transferido para o Hospital Estadual Getúlio Vargas para avaliação da neurocirurgia. Seu estado de saúde é gravíssimo.

Em nota, a corporação lamentou a morte do policial e disse que "o sargento Cirio, tinha 51 anos, ingressou na Corporação em 2000, trabalhava no 14º BPM e deixa esposa. Até o momento, sem confirmação de horário e local do sepultamento".
Publicidade