Crime aconteceu na suíte do hotel America’s Barra - Reprodução / Google Street View
Crime aconteceu na suíte do hotel America’s BarraReprodução / Google Street View
Por Gabriel Sobreira
Publicado 20/10/2020 13:27 | Atualizado 20/10/2020 14:55
Rio - Policiais Civis da 16ª DP (Barra da Tijuca) prenderam um homem que é suspeito de ter estuprado uma mulher de 36 anos no último domingo (18). O crime aconteceu na suíte do Américas Barra Hotel, onde o acusado trabalhava como mensageiro. A vítima é casada e tem dois filhos.
A mulher disse que ela e uma amiga saíram para beber e que foi deixada no quarto pela companheira. Depois disso, um homem de 37 anos invadiu o quarto do hotel e passou a mão nas partes íntimas da vítima. Ela disse que está acostumada a viajar, mas que nunca passou por uma situação parecida.

Segundo a vítima, o funcionário disse ser motorista da amiga e teria perguntado se ela estava bem. Após dizer que apagaria as luzes para que a mulher dormisse melhor, ele aproveitou para tocar a vítima. Ela disse que começou a gritar e chutar o homem quando percebeu o que estava acontecendo.

A mulher contou, ainda, que se trancou no banheiro da suíte com medo de que o funcionário voltasse para o quarto. O caso foi registrado na Delegacia da Barra da Tijuca e o acusado foi preso no mesmo dia do crime. A vítima iria retornar para o Pará, mas os trâmites policiais a impediram de voltar.
Publicidade
“O funcionário já não faz mais parte da empresa”, diz o hotel em nota. “Estamos surpresos com o ocorrido pois somos muito criteriosas na seleção dos nossos funcionários. Para a seleção dele contou ser filho de um outro funcionário que tem 20 anos de serviços além de ser bombeiro socorrista”, completa o estabelecimento. 
De acordo com o hotel, o estabelecimento repudia totalmente qualquer tipo de agressão física ou moral. “Estamos ajudando a polícia a esclarecer o ocorrido fornecendo todas as informações solicitadas além de estar prestando todo o apoio necessário a denunciante”, afirma outro trecho do texto.
Publicidade
Para o delegado Henrique Damasceno, da 16ª DP (Barra da Tijuca) foi fundamental o início das diligências tão logo a ocorrência foi comunicada. “Conseguimos imagens de câmeras de segurança que mostraram com segurança quem era o autor, que foi reconhecido, não só pela vítima, mas por testemunhas também”, conta Damasceno.
Segundo o delegado, o acusado foi preso por policiais civis da 16ª DP, em casa, no bairro do Tanque, na Zona Oeste do Rio. “Ele não ofereceu resistência", explica o policial. Quando questionado se existe alguma investigação acerta de outras eventuais vítimas do acusado, o delegado é categórico. "Não há registro de qualquer outra vitima que tenha passado pela mesma circunstância”, avisa ele.