Procurador do Ministério Público de São Paulo comenta sobre como o Código Penal trata casos de omissão.
Procurador do Ministério Público de São Paulo comenta sobre como o Código Penal trata casos de omissão.Rovena Rosa/Agência Brasil
Por iG
O procurador de Justiça do Ministério Público de São Paulo (MP-SP), Fernando Capez, comentou sobre a morte do menino Henry Borel, de 4 anos, e disse que cuidadores de crianças podem responder por omissão e até óbitos. O garoto foi morto no mês passado e os principais suspeitos da morte são o vereador Dr. Jairinho e a namorada dele, Monique Alves, mãe do menino.

Em um vídeo publicado no Instagram na quarta-feira (14), Capez falou sobre a interpretação que o Código Penal dá em caso de mortes de crianças que eram cuidadas por alguém.
"Alguém matou e alguém se omitiu. Como o Código Penal trata a omissão? Se a pessoa tem, por lei, a obrigação de cuidado, proteção, vigilância, caso, por exemplo, dos pais em relação aos filhos. Se ela foi contratada para cuidar ou proteger caso, por exemplo, de uma babá, um salva-vidas, de segurança. Se ela se oferece para proteger gratuitamente, caso de alguém que se oferece para tomar conta de uma criança. Em todas estas hipóteses, o Código Penal diz que o omitente não responde apenas por omissão", disse.
Publicidade
De acordo com o procurador, a pessoa responde também pelo resultado, porque ela "tinha o dever podia pedir um resultado e não impediu". "No caso, com a morte da criança, quem se omitiu tendo obrigação de agir, deverá responder por homicídio, doloso, se quis matar, culposo, se agiu com negligência", completou.
 
 
 
 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 

Uma publicação partilhada por Fernando Capez (@fernandocapez)